Pular para o conteúdo principal

Aborto e conservadorismo nas instituições

Com a possibilidade de indicação de Ives Gandra Filho para a vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal, é preciso discutir a ampliação do espaço para o conservadorismo nas instituições brasileiras com o governo golpista. Ives Gandra é ligado a setores conservadores da Igreja Católica e tem, por exemplo, artigos que criticam os direitos das mulheres e dos/das LGBTs.

O momento exige organização dos movimentos sociais contra tal ofensiva. O aborto precisa ser encarado pelo Estado (laico) como questão de saúde pública, que, por ser ilegal, mata uma mulher a cada dois dias no Brasil. O aborto é, inclusive, a quinta maior causa de mortalidade materna no Brasil e um entrave na redução da mortalidade materna no país.

A Pesquisa Nacional de Aborto (PNA) mostra que uma em cada cinco mulheres brasileiras, ao fim de sua idade reprodutiva, terá feito um aborto, e que tal estatística não varia de acordo com a religião confessada pela mulher.

É importante ainda apontar que as mulheres que morrem em decorrência de aborto em geral são mulheres pobres, que não contam com recursos para acessar clínicas de aborto seguras mas clandestinas. (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Com todo respeito a sua pauta ,Ana Luiza, devo dizer que os golpistas nos tiraram o direito de ser cidadãos. Mulheres, Gays, Homens, Heterosexuais, Negros, Brancos não são objeto de preocupação deles. Nem como Brasileiros, nem como trabalhadores, nem como católicos etc... Somos todos um bando desprovidos de qualquer poder ou direito.Se quizerem condenar alguem por aborto, condenam. Se quizerem absolver, absolvem. Agora reivindicar assistência do estado para a pratica de aborto..... é ruim, heim!Gastar dinheiro com saude do povo? E o dindin deles, como é que fica?

    ResponderExcluir
  2. O máximo de preocupação com saude do povo, ficou expressa na colocação de banheiros publicos pelo prefeito de São Paulo. O povo pode morrer de dengue, de zica, de abôrto, de facada, de acidente de trânsito..... etc.... Só não pode fazer côcô na rua. Isso não! Decretou Bidê Lambert.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…