Pular para o conteúdo principal

Tempos estranhos

Tempos estranhos, estes.

É difícil entender o que leva o Judiciário e Ministério Público a fechar questão sobre a necessidade de se diferenciar dos outros cidadãos para que, como disseram alguns de seus membros, possam trabalhar.

Sempre pensei que, numa democracia, todos são iguais perante a lei.

Tempos estranhos, estes.

É difícil entender o que leva o Judiciário e o Ministério Público a chantagear o Legislativo para aprovar seja lá o que for.

Sempre pensei que, numa democracia, houvesse separação entre os Poderes.

Tempos estranhos, estes.

É difícil entender a fragilidade das instituições da república e a sua submissão a uma "opinião pública" formada pela burguesia e manipulada por um cartel midiático.

E como essas instituições temem um juiz de primeira instância.

Tempos estranhos, estes.

Parece que o Brasil, mais de 200 milhões de habitantes, uma das dez maiores economias do mundo, não passa de uma republiqueta de bananas.

Tempos estranhos, estes. 

(Carlos Motta)

Comentários

  1. Bota estranho nisso. Logo, logo, vai começar o bate boca: Vsa. Excl. não passa de uma bicha enrustida". "Vsa. Excl. quer aparecer". "Cala a tua boca Vsa.Excl. nojenta"."Socoro!!! Alguem me acuda." E por ai vai.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…