Pular para o conteúdo principal

Saúde, Educação, Previdência, tudo dominado


Diversos especialistas têm apontado o espaço à privatização dos direitos sociais aberto com a aprovação da PEC 55 (antiga 241). Com recursos públicos limitados para Saúde e Educação, crescem as possibilidades para o setor privado.

Na Saúde e Educação, o setor privado tem ganhado evidente espaço no governo golpista. Um exemplo das ligações entre os atuais ministros da Saúde e Educação é facilmente percebido ao se analisar as doações das últimas campanhas de ambos.


Dados da campanha de Mendonça Filho (DEM) a deputado federal mostram que a Devry Educacional do Brasil SA doou R$ 30 mil em 2014 ao partido/comitê do então candidato, que viria a se tornar ministro da Educação no governo golpista. A Devry Educacional é uma multinacional com sede em Chicago, que entrou no Brasil em 2009. Em 2015, a Devry passou a controlar o Ibmec.

Já os dados da campanha de Ricardo Barros (PP) - hoje ministro da Saúde no governo golpista - a deputado federal em 2014 mostram uma doação de R$ 100 mil de Elon Gomes de Almeida, diretamente ao candidato. Elon, o maior doador individual da campanha de Barros, é sócio do Grupo Aliança, administradora de benefícios de saúde. O ministro é um grande defensor de “planos populares de saúde” para “desonerar” o SUS.

Ainda, a agenda do secretário da Previdência, Marcelo Caetano, é dominada por compromissos com o mercado financeiro, mostrando também o espaço dado ao mesmo dentro do governo e na elaboração da reforma da Previdência. 

É importante ainda lembrar o estímulo que a discussão sobre a reforma previdenciária dá a planos de previdência privada, com o medo dos brasileiros de não poderem se aposentar pela Previdência Social antes de morrer. 

Assim, não é exagero afirmar que o governo golpista, por suas ligações com grandes empresas em diversos âmbitos, tem aberto espaço a interesses privados e à privatização de direitos sociais, em detrimento dos interesses de milhões de brasileiros. (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Esses golpistas são completamente doidos. Anota ai. Não demora, vão começar a dar na cara um do outro, e o Lula vai ter que interferir para apaziguar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…