Pular para o conteúdo principal

Queda nos investimentos projeta futuro econômico sombrio


O resultado do PIB do terceiro trimestre - queda de 0,8% em relação ao trimestre anterior. e de 4% em relação a igual período de 2015 - evidencia a tragédia que é o governo do Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas. E um dos principais indicadores para prever o comportamento futuro da economia, os investimentos, continuam em queda, puxando para baixo o PIB.

Os dados das Contas Nacionais Trimestrais, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que, no terceiro trimestre, a Formação Bruta de Capital Fixo (que são os investimentos) recuou 3,1%. Nos últimos 12 meses, o índice acumulou queda de 13,5%.

“Vimos um recuo importante dos investimentos em função da queda nas importações de bens de capital (máquinas e equipamentos), o que tem a ver com as expectativas e com o aumento dos juros reais, o que reflete no crédito. E o país continuou tendo desempenho negativo da construção civil, que também impacta negativamente nos investimentos”, afirmou a coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Só para entender melhor: as maiores empreiteiras do país foram destruídas pelos zelosos e patrióticos integrantes da operação Lava Jato.


Rebeca destacou que, no terceiro trimestre, os serviços também continuam puxando para baixo o PIB por seu grande peso na economia. “Os serviços relacionados à indústria tiveram as maiores quedas, as partes de transportes e comércio foram as maiores quedas dentro dos serviços”, disse.

No caso do consumo das famílias, a retração nos últimos 12 meses alcançou 5,2%. “A gente continuou tendo indicadores ruins no mercado de trabalho, a inflação arrefeceu, mas continua alta, o crédito para pessoas físicas está apresentando taxas reais negativas, já que os juros continuam altos. Tudo isso afeta negativamente o consumo das famílias.”

Na análise dos subsetores da economia, a agropecuária teve retração de 1,4% no período, a indústria caiu 1,3% e o setor de serviços registrou queda de 0,6%. Os dados do IBGE mostram ainda que o consumo das famílias caiu 0,6% e o do governo, 0,3%. No setor externo, as exportações de bens e serviços caíram 2,8% e as importações recuaram 3,1%.

A coordenadora das Contas Nacionais ressaltou que a economia brasileira está tendo taxas negativas há sete trimestres consecutivos, ou seja, desde o começo do ano passado. “Em 2014, a gente tinha a indústria em queda e os serviços e a agropecuária ainda subindo. O consumo das famílias também crescia e tem papel relevante no PIB. Em 2015, a queda se disseminou pela economia, mas a agropecuária ainda continuava com crescimento. Agora em 2016, todas as grandes atividades econômicas, tanto a agropecuária quanto a indústria e os serviços, estão em queda. A agropecuária foi influenciada pelas quebras de safra por causa do clima desfavorável.”

Rebeca esqueceu de dizer que o governo Dilma, em 2015, foi vítima de sabotagem por parte de agentes políticos, midiáticos e empresariais, que amplificaram a crise econômica. O fim da história é conhecido por todos.

Comentários

  1. Quem tem c*, tem medo. Aqui no Brasil, as coisas desabam antes de funcionar. Lembra do prédio do politico Sergio Naia. Embarcar nessa tal "ponte para o futuro", é coisa pra valente. A maioria tira da reta, porque sabe que se bobear, a obra cai na cabeça. Essa cag*** golpista tá fedendo, e vai feder mais. Danou-se.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…