Pular para o conteúdo principal

Pesquisa comprova: o brasileiro é ignorante


O site do serviço noticioso russo Sputnik News publicou interessante matéria sobre pesquisa que compara a percepção das pessoas a respeito da realidade de seus próprios países. 

E, adivinhem, o Brasil mostrou que tem uma das populações mais ignorantes do planeta.

Nenhuma novidade.

A seguir, a íntegra da reportagem:


Brasil fica no 6º lugar de ranking de
desinformação sobre o próprio país 

Pesquisa feita em 40 países pelo Instituto Ipsos Mori, comparando a percepção que as pessoas têm de seus países com a realidade, coloca o Brasil no sexto lugar do ranking, abaixo de Índia, China, Taiwan, África do Sul e EUA. Já as populações mais conscientes de suas realidades foram Holanda, Grã-Bretanha, Coreia do Sul, República Tcheca e Malásia.

Nesse tipo de ranking, quanto mais afastada do primeiro lugar melhor é a percepção real do que as pessoas pensam e de como a realidade é. A pesquisa abordou determinadas perguntas para avaliar o grau correto de informação, entre elas, por exemplo, qual o percentual de mulçumanos na população do país, quantos por cento se declaram felizes, quanto é investido em determinada setor, entre outras.

No caso do Brasil, o melhor resultado foi verificado quanto ao tamanho da população. A maioria das respostas apontou 200 milhões. O correto é 207,8 milhões. Já em outras avaliações, as resposas mostraram grande diferença com a realidade.

 Em Educação, a maioria acredita 25% do Produto Interno Bruto (PIB) é investido na área, quando na verdade são apenas 8%. Em tempos de escândalos políticos, o pessimismo também anda em alta por aqui. Quando indagados sobre qual percentual de brasileiros se sente feliz, a maioria das respostas girou em torno de 40%. Na verdade, pelos últimos levantamentos, esse percentual é de 92%.

Rafael Moura, pesquisador do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) acredita que essa percepção distorcida do brasileiro sobre a própria realidade é fruto de vários fatores.  "Uma variável que contribui muito para isso é um problema estrutural dos meios de comunicação no Brasil. Em função de termos meios extremamente oligopolizados, e muito voltados para interesses particularistas ao invés de trazer a informação para o leitor e pluralidade de opiniões, o cidadão médio brasileiro acaba tendo muita dificuldade para assimilar todas as coisas que estão acontecendo no país e ter um juízo com um pouco mais de isonomia."

Moura diz que isso acaba repercutindo muitas vezes em uma cultura que o brasileiro tem — e já capturada nas pesquisas de ciência política — de sempre atribuir toda e qualquer crise econômica ao Executivo à figura do presidente.  "Temos um país com 200 milhões de pessoas, um PIB gerando em torno de R$ 4 trilhões, uma economia tão diversa e heterogênea que atribuir problemas na economia a uma única figura, a um único partido ou a um único fator é algo problemático e que acaba corroborando os dados desse instituto. A falta de juízo do cidadão brasileiro acerca da realidade que ela está vivenciando acaba levando a juízos equivocados."

 Na avaliação do pesquisador, as realidades nos países pesquisados variam muito. Segundo ele, a China tem a questão de um sistema político diverso, Índia e África (do Sul) são países com percentual elevado de analfabetos.  "Muitas vezes a percepção que chega aos brasileiros dos Estados Unidos também é equivocada. Os EUA também têm um sistema de comunicação extremamente oligopolizado que muitas vezes também não trazem a interpretação fidedigna da realidade, seja de lá, seja do mundo."

Para Moura, o Brasil, tem um legado muito grande de exclusão, de falta de acesso aos meios de comunicação.  "O problema é que, mesmo tendo os cidadãos acesso a esses meios, eles não são plurais. Você não vê muita diversidade de opiniões antagônicas. A mídia tem essa fachada de ser plural, de se preocupar com a variedade de opiniões, mas a gente sabe que em termos prático isso não é verdade."

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…