Pular para o conteúdo principal

País caminha rapidamente para a depressão econômica


Marcos Verlaine

Com as políticas aprovadas nos últimos meses pelo Congresso originárias do programa ‘Uma ponte para o futuro’, do PMDB, o país poderá caminhar para a depressão econômica, caracterizada por profunda contração interna. Essas políticas contracionistas não levarão o Brasil a porto seguro. 

Então vejamos.


A Emenda Constitucional (EC) 95, promulgada no dia 15 de dezembro, tem o objetivo, segundo o governo, de equilibrar as contas públicas por meio de rígido mecanismo de controle de gastos. Pelo texto, a partir de 2018, os gastos federais só poderão aumentar de acordo com a inflação acumulada conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A inflação a ser considerada para o cálculo dos gastos será a medida nos últimos 12 meses, até junho do ano anterior. Assim, em 2018, por exemplo, a inflação usada será a medida entre julho de 2016 e junho de 2017.

Para 2017, primeiro ano de vigência do novo comando constitucional, o teto de gastos será definido com base nas despesas primárias — folha de pagamento, benefícios da Previdência Social e assistenciais vinculados ao salário mínimo (abono, seguro-desemprego, subsídios, entre outros) — pagas em 2016 (incluídos os restos a pagar), com a correção de 7,2%, a inflação prevista para este ano.

Observe-se que os gastos públicos a que se refere a EC são só os primários. Não toca nos gastos ou despesas financeiras do governo. São os gastos mais onerosos para o Estado, ou os que consomem mais em comparação aos demais gastos. Servem para o pagamento dos juros da dívida externa e interna do país (Dívida Pública), com os bancos, empresas e governos de outros países, principalmente as grandes potências econômicas como EUA e Europa.

Reforma da Previdência

O outro ajuste é o da reforma da Previdência (PEC 287/16) já admitida pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Trata-se de complemento à Emenda dos Gastos Públicos (EC 95). Uma pede a outra. Ou uma sem a outra não completa a política contracionista, que de um lado impõe severos limites aos gastos com o Estado de bem-estar social, e de outro, limita, sobremodo, as despesas com um dos itens da Seguridade Social, que é a Previdência Pública.

A reforma tal como está formulada implode a Seguridade Social, que sustenta um conjunto de ações e instrumentos por meio do qual se luta, desde antes da promulgação de Carta de 1988, para reduzir as desigualdades sociais e promover o bem de todos, conforme determina o artigo 3º da Constituição. Ou seja, a Seguridade Social, em seu conjunto, visa garantir que o cidadão se sinta seguro e protegido ao longo de sua existência, provendo-lhe a assistência e recursos necessários para os momentos de infortúnios. É a segurança social, segurança do indivíduo como parte integrante de uma sociedade.

Ao definir idade mínima de 65 anos para — homens e mulheres — acessar o benefício da aposentadoria, e no mínimo 49 anos de contribuição para ter direito ao teto do Regime Geral, hoje em R$ 5.189,82, o governo impõe regras jamais imaginadas para ter direito à aposentadoria. Com regras assim, os especialistas afirmam que essa proposta pode acabar com a Previdência, em vez de reformá-la.

A prevalecer as regras consignadas no texto, as consequências poderão ser, segundo o advogado especialista em Previdência Matusalém dos Santos: 1) mais desemprego, já que sem aposentadoria não serão abertas vagas no mercado de trabalho; 2) aumento de doenças e acidentes, especialmente do trabalho; 3) empobrecimento das pessoas, pela redução do valor dos benefícios; e 4) diminuição do volume de dinheiro nas economias locais, pela redução do valor e da massa de beneficiários.

Ao fim e ao cabo, a reforma proposta é perversa, porque prorroga o tempo para recebimento do benefício, que será bastante inferior e por tempo ínfimo. Assim, o governo prevê uma economia fabulosa em 10 anos. Estima que deixará de gastar cerca de R$ 740 bilhões, entre 2018 e 2027, com as mudanças propostas. Desse valor total, as mudanças no INSS e nos benefícios por prestação continuada (BPC) representariam uma economia de R$ 678 bilhões e, nos regimes próprios, de cerca de R$ 60 bilhões.

E para onde vai essa economia toda? Para fazer superávit primário, para pagar os juros e serviços (rolagem) da dívida pública, cujos beneficiários são os banqueiros, os rentistas, as multinacionais e os endinheirados de modo geral daqui e de fora, que ganharão rios de dinheiro como credores da dívida pública.

Orçamento 2017 e dívida pública

Para completar o enredo de redirecionamento do papel do Estado — com o impeachment não houve apenas uma mudança de governo, mas de modelo — cujos poderes e recursos que ‘antes eram majoritariamente destinados para combater desigualdades, proteger os mais necessitados e promover programas de inclusão social, se voltam agora para garantir o direito de propriedade, contratos, honrar os compromissos com os credores e contratar serviços no setor privado’, assevera Antônio Queiroz, do Diap.

A teoria, neste caso, comprava a realidade. No dia 15 de dezembro, o Congresso aprovou o Orçamento para 2017. Eis que a tese se confirma. O volume orçado é de R$ 3,5 trilhões no próximo ano, valor que inclui despesas com o pagamento dos juros e amortizações (rolagem) da Dívida Pública no valor de R$ 1,7 trilhão.

Isto é, metade do trilionário orçamento brasileiro de 2017 vai ser para pagar uma ‘dívida’ cujos credores e, portanto, os beneficiários são os banqueiros daqui e os de fora. Está explicado porque limitar os gastos públicos e a edição de uma reforma da Previdência que retarda o acesso ao benefício, diminuiu substantivamente o valor das aposentadorias e pensões para a expressiva maioria e ainda faz com que esses benefícios sejam pagos por curtíssimo período.

O desafio dos que contestam a PEC 287/16 será explicar isto tudo para o povo de forma clara, didática e em tempo hábil. Se o povo entender o conteúdo da proposta, com suas drásticas e severas restrições e a quem beneficia, a reforma poderá ser derrotada da maneira como foi enviada ao Legislativo. Mãos à obra!

(Marcos Verlaine é jornalista, analista político e assessor parlamentar do Diap)

Comentários

  1. Bem, aí vai meu esforço pra população entender as reformas: "esses golpistas são um bando de ignorantes filhos da p.....
    Mais claro, impossível.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…