Pular para o conteúdo principal

O problema do Brasil não são as leis, são os brasileiros


Este Brasil Novo tem se mostrado ansioso por mudar as leis.

Seus luminares querem mexer em tudo, da previdência social às punições aos corruptos. 

É como se todo o intrincado sistema legal do país, incluindo a própria Constituição, fosse um monte de lixo.

Mas qualquer um que se disponha a gastar alguns minutos para refletir sobre isso vai chegar à conclusão que o problema do Brasil não é a falta de leis, mas sim a sua aplicação.

O país, é fácil perceber, tem leis para tudo, para todos os gostos.

Pode ser que algumas delas precisem ser modernizadas, ou mesmo aperfeiçoadas.

Muitas são simplesmente ignoradas pela população.

Outras são de difícil cumprimento, várias são desconhecidas.

Mas, definitivamente, as leis existentes no Brasil são capazes de colocar a nação entre as mais civilizadas do planeta.

Isso se elas fossem cumpridas, se o povo ao menos tivesse consciência da importância de obedecer ao ordenamento legal - o que, infelizmente, não ocorre.

No Brasil as pessoas são incapazes até de cumprir normas corriqueiras como trafegar nas rodovias de dia com o farol aceso, não exceder os limites de velocidade, ou até mesmo respeitar as filas.

E se elas desobedecem essas regras civilizatórias simples, o que dizer das outras que regulam negócios e mecanismos mais complexos?

Levante a mão quem não sonega impostos...

O descumprimento das leis é geral e irrestrito, abrangendo aqueles que deveriam defendê-las - o Judiciário é o poder mais corrupto da República, porque ele não é fiscalizado externamente.

O fato é que o Brasil seria um paraíso se suas leis fossem cumpridas, se a Constituição fosse respeitada, e se as regras comezinhas do dia a dia fossem seguidas.

O maior problema do Brasil, é duro dizer, é o brasileiro. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Roubaram meu comentario? Chama a Policia! Cacilda!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…