Pular para o conteúdo principal

O nosso Papai Noel puído


Um ou outro excetuado, Papai Noel continuou vermelho neste ano.

Não adiantaram os apelos de uma minoria idiota, aquela que diz que a bandeira do Brasil nunca será vermelha - como se alguém quisesse mudar a sua cor... -, para que o "bom velhinho" se vestisse de azul, verde-amarelo, ou outra cor qualquer.

Papai Noel é um símbolo universal, criado para inspirar algo que a humanidade não pratica no ano todo - a fraternidade, principalmente -, e que serve, é claro, para impulsionar os desejos de consumo de nossa sociedade capitalista.

Mas pesando na balança, ele faz mais bem que mal.


Assim como esta época do ano, de intensos apelos à reflexão, de vigorosas promessas para que tudo seja diferente no futuro, Papai Noel nos faz pensar em várias coisas - em como, por exemplo, a hipocrisia e o cinismo vêm dominando as emoções do homem.

Certo que o Brasil vive tempos extraordinários, que demorarão muito para ser esquecidos.

Mas também é correto dizer que essas pessoas que tanto fizeram para "chegar lá", desprezando qualquer noção ética ou moral, e que hoje têm a responsabilidade de ditar os rumos de nossa sociedade, ignoram completamente o celebrado espírito natalino, e mesmo princípios humanitários comezinhos.

Está aí o Dr. Mesóclise que não nos deixa mentir.

Em pleno Natal vem ele anunciar que uma das maiores conquistas do povo brasileiro, a Consolidação das Leis do Trabalho, nossa conhecida CLT, em breve será letra morta, valerá menos que as ridículas construções verbais que ele usa para informar a escumalha sobre as perversidades que planeja.

O Dr. Mesóclise e o bando de picaretas que o rodeia, a maioria da população já compreendeu, são seres abjetos, meros executantes de tarefas odiosas para as quais foram designados por quem realmente manda nesta terra tropical - os endinheirados de sempre.

Mesmo assim, a bem da eficiência de sua tenebrosa missão, eles poderiam, ao menos, respeitar Papai Noel, e adiar para o emocionante e inevitável 2017, a revelação de que, daqui em diante o Brasil, esta imensa nação, abandonará qualquer projeto de se tornar uma terra civilizada e seus habitantes terão de se conformar em ser dóceis burros de carga.

Nos próximos anos Papai Noel ainda deverá vestir vermelho, mas sua vestimenta certamente não terá o brilho de sempre - manchas e rasgões vão se sobressair e marcar seu novo figurino, mais adequado às condições deste sempiterno país do futuro. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…