Pular para o conteúdo principal

Estados ignoram transparência na segurança pública


Segundo informa o portal “Segurança e Transparência Brasil” apenas 30% dos Estados brasileiros disponibilizam algum tipo de documento que apresente a política estadual de segurança pública da atual gestão. Ainda, segundo publicação disponível no portal, chama a atenção o baixo nível de transparência sobre as normas de controle sobre o uso da força.

O site e o relatório buscam fomentar o debate sobre a transparência na segurança pública brasileira: é primordial informar sobre como a polícia está fazendo o uso da força para garantir o respeito e a promoção do estado democrático de direito.

Com base em parâmetros estabelecidos, o relatório concluiu que o índice médio de transparência da segurança pública brasileira, em 2016, é de 18%. A Secretaria de Segurança Estadual (SSE) que alcança o melhor índice de transparência do Brasil é a do Rio de Janeiro. Entre a Polícia Militar (PM), é a de Pernambuco. E, entre a Polícia Civil (PC), é a do Mato Grosso. No computo geral (média entre SSP, PM e PC), o Estado do Mato Grosso é o mais transparente do país.

Segundo o relatório, é preciso que seja mais clara a definição precisa das competências de gestão entre as secretarias de segurança pública e as polícias estaduais, pois a falta de limites claros dificulta a responsabilização e a avaliação do que funciona ou não para a redução de violência.

(Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Diante de toda essa bagunça criada pelos golpistas, só podemos chegar a uma conclusão : "Marica é uma merda".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…