Pular para o conteúdo principal

Banco Central erra ao reduzir a Selic em apenas 0,25 p. p.

Em nota divulgada pelo Copom, a autoridade monetária decidiu, por unanimidade, cortar a Selic em 0,25 p.p. Ou seja, a taxa básica de juros passa de 14% para 13,75% ao ano. Tal decisão se mostra extremamente deslocada da realidade da crise. Seguindo o cenário traçado pelo Banco Central, a inflação está em forte queda e as perspectivas são de convergência para o centro da meta em 2017. Desde o início de 2014, a economia já acumula contração de 8,4%, e não há sinais de que a crise tenha arrefecido. Na realidade, o PIB se retraiu 0,8% entre julho e setembro, o dobro da queda de 0,4% registrada no trimestre anterior, na série com ajuste sazonal. 

Neste processo, no âmbito da economia doméstica, a alta do desemprego, o forte endividamento de empresas e famílias, a grande capacidade ociosa da indústria e as contínuas frustrações de arrecadação nos diversos níveis do governo marcam a gravidade da crise econômica atual. 


Fatores externos também sobrepujam frentes para a retomada. Para além de fortes pressões de baixo dinamismo da demanda internacional, a eleição de Donald Trump adiciona um elemento crítico aos países em desenvolvimento. Quanto a esse último ponto, o comunicado do BC ressalta que “o aumento da volatilidade dos preços de ativos indica o possível fim do interregno benigno para economias emergentes. Há elevada probabilidade de retomada do processo de normalização das condições monetárias nos EUA no curto prazo e incertezas quanto ao rumo de sua política econômica”. 

Sem expectativa de retomada da demanda doméstica, das exportações e da capacidade de investimento do Estado, o investimento privado não tem motivos para reagir. Nesse sentido, uma redução mais contundente da Selic daria pelo menos um alento à crise. Projeções de inflação mostram que ela se encontra perto do teto da meta neste ano e ao redor do seu centro no próximo ano. Para 2017, o cenário de referência indica a inflação mensurada pelo IPCA em 4,4% e em 4,7% o de mercado. O Copom volta a se reunir entre 10 e 11 de janeiro de 2017. Espera-se um pouco mais de razoabilidade para entendimento da crise para além do fundamentalismo ortodoxo. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Erra não. Acerta. Acerta mais uma cacetada na logica,no bom senso e na esperança do Brasileiro de sair logo desda crise.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…