Pular para o conteúdo principal

A incrível capacidade do Dr. Mesóclise de falar asneiras


Educação formal, diplomas, treinamento, linguajar empolado, tudo isso, mostra a crua realidade, não é, nem de longe, sinal de inteligência.

O mundo, e mais especificamente o Brasil, está cheio de "doutores" incapazes de estabelecer uma relação de causa - efeito e que traem a lógica mais elementar a cada atitude que tomam.

Muitos anos atrás, quando ainda era repórter em Jundiaí, conheci um vereador, formado em advocacia, que não conseguia escrever uma frase completa - havia pedido a ele que resumisse, por escrito, o que achava de determinado assunto. 

Ele tentou uma vez, não gostou, amassou e jogou fora o papel, tentou mais uma quatro, cinco vezes, até que finalmente disse que me mandaria a sentença depois.

Noutra ocasião, fez um discurso na Câmara Municipal tão recheado de clichês, erros de concordância e orações inconclusas, que alguém da plateia o batizou de "Os Homem e as Máquina"...

Detalhe: o sujeito, posteriormente a essas demonstrações de suprema burrice, se elegeu deputado estadual, deputado federal, e duas vezes prefeito de Jundiaí.

Pois é.

Há casos ainda mais evidentes de "doutores" que fazem questão de demonstrar o tamanho do fracasso que lhes subiu à cabeça.

O mais emblemático de todos é, seguramente, o do Dr. Mesóclise, esse incrível personagem que ascendeu do submundo da política para a presidência da República.

Nela, está, finalmente, conseguindo expor para todo o Brasil, quiçá o mundo, a sua gigantesca estupidez - além das falhas monstruosas de seu caráter.

Cada declaração pública sua é um desastre de um nonsense somente visto nas mais escrachadas tragicomédias.

É impossível dizer se o que o Dr. Mesóclise fala está no campo da galhofa, do mais puro cinismo ou se expressa o que ele realmente pensa.

Seja como for, é assustador saber que alguém com um intelecto desses chegou onde chegou e, pelo menos na teoria, comanda os destinos do Brasil.

Nunca na história da humanidade um país tão grande, com tantas riquezas, com tanto potencial para se desenvolver, esteve nas mãos - minúsculas, por sinal - de alguém tão pequeno, irrelevante e inepto. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Pesadelo. Depois de ler esse têxto, pelo menos umas cinco noites êles vão me atormentar. Também pudera. Eu tenho pavor de vampiro. De mordomo de vampiro então, nem se fala.
    Valei-me meu São Benedito. Me acuda nessa hora difícil.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…