Pular para o conteúdo principal

A era dos pacotes econômicos está de volta. Agora vai...

Os mais novos certamente não se lembram da era dos pacotes econômicos, a mais cabal demonstração da burrice dos governantes brasileiros.

Ela durou de Sarney, logo depois da democratização, até o segundo (des) governo FHC.

O mais lembrado de todos os planos - duas dezenas, três, é difícil lembrar - foi o de Collor, aquele que bloqueou os depósitos bancários, inclusive a poupança, e que chocou o país.

Todos esses pacotes, invariavelmente, foram um fracasso rotundo.

Serviram apenas para bagunçar ainda mais o cenário econômico e social do país.


O fim da infame era dos pacotes se deu com a eleição de Lula.

Dilma seguiu seu antecessor e deixou de lado essa possibilidade.

Mas os governos trabalhistas são passado. 

O Brasil está agora sob o comando de um bando de corruptos golpistas, cuja único propósito é assaltar os cofres públicos, desmontar o incipiente Estado de bem-estar social montado no país e entregar a sua riqueza para os endinheirados - daqui e de fora - de sempre.

Com a economia derretendo na mesma velocidade que seu governo se desmoraliza, os golpistas ressuscitam essa palavra maldita, pacote, e anunciam, como se tivessem entrado numa máquina do tempo e voltado aos anos 80 do século passado, que assim que o Dr. Mesóclise assinar o conjunto de medidas, tudo se transformará, nesta terra, em rios de felicidade.

Quando um governo age assim é porque já não sabe mais o que fazer, está no fim. 

Soluções mágica só existem nas mentes infantis ou nos folhetins de quinta categoria, aqueles cujos autores se perderam tanto na trama que não sabem mais como concluí-la.

É o que se vê agora nesta terra. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Nas noticias que se leem das delações, conclui-se que a Presidente Dilma foi deposta por uma quadrilha. "Não fica um meu irmão". Conclusão: dessa gente só podemos esperar ôvo podre.Enquanto estiverem no poder, é bla bla bla sem fim pra esconder suas péssimas intenções. Ou será que alguem acredita, em alguma coisa que essa gente fala e promete?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…