Pular para o conteúdo principal

O STF e a terceirização


Arnaldo Boson Paes

O Supremo Tribunal Federal (STF) colocará em pauta na sessão da próxima quarta-feira, 9 de novembro, a questão da ampliação ilimitada da terceirização. Estará em discussão a validade da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que considera ilegal a terceirização de mão-obra nas atividades-fim das empresas.

A causa envolve grandes interesses econômicos e tem potencial para produzir consequências desastrosas no mundo do trabalho. Por isso mesmo, diversas entidades e instituições se mobilizam em torno do processo. E um exército de advogados caiu em campo para tentar convencer os ministros. Esse já é considerado o julgamento trabalhista mais importante da história do STF.


O tema da terceirização foi objeto de tenso e intenso debate no Congresso Nacional. A classe empresarial priorizou a atuação no Executivo e no Legislativo, na expectativa de aprovação de lei liberando a prática em todos os setores e atividades. Mas como não obteve resposta em curto prazo, mudou a estratégia, articulando recurso ao STF avaliando ser um caminho mais eficaz.

Estará em julgamento se a terceirização, admitida hoje nas atividades-meio, pode envolver também as atividades finalísticas das empresas. Geralmente a terceirização ocorre quando a empresa utiliza empregados de outra empresa para executar seus serviços e atividades. Com isso ganha flexibilidade, otimiza a produção, dinamiza as atividades e barateia custos.

Para a empresa pode ser bom. Para os trabalhadores, porém, é uma verdadeira tragédia social. Produz desemprego e subemprego, elimina direitos, reduz salários, cria uma subespécie de trabalhadores, cujos corpos são negociados por um intermediário, que os aluga ou arrenda, nua e cruamente, como se fossem animais ou coisas. Por tudo isso, tornou-se indispensável fixar limites à sua prática.

Como a lei não diz tudo, o TST, por meio da Súmula 331, fixou os limites, admitindo-a quando se tratar de serviços especializados ligados às atividades-meio e considerando ilegal quando envolver serviços relacionados às atividades-fim. Para melhor entender, atividades-fim são aquelas essenciais à dinâmica empresarial, envolvendo funções e tarefas às quais a empresa se destina.

A atividade-fim de um hospital, por exemplo, é prestar serviços de saúde, para a qual médicos são profissionais essenciais. Atividades-meio são aquelas periféricas e que não integram a dinâmica empresarial, consideradas instrumentais e de simples apoio logístico. Por exemplo, as empresas que prestam serviços de limpeza e vigilância desenvolvem atividades-meio.

Os limites impostos à terceirização têm o mérito de tentar conter o fenômeno, buscando confiná-la a certos setores e atividades. Ampliar o modelo, autorizando a terceirização nas atividades-fim, implicaria admitir a existência de empresa sem empregados diretos e agravar a precarização das condições de trabalho. A expectativa do julgamento é preocupante para o mundo do trabalho. O STF, em reiteradas decisões, vem realizando uma “reforma trabalhista” prejudicial aos trabalhadores.

Assim, ao invés de praticar o ativismo judicial, regulamentando a matéria, convém à Suprema Corte a estratégia de autocontenção, preservando a jurisprudência trabalhista que há décadas bem equaciona o fenômeno da terceirização. Eventual liberação pelo STF da prática ilimitada da terceirização implicaria legitimar a fraude, transformar o trabalho em mercadoria e negar ao trabalhador o direito à vida digna.

(Arnaldo Boson Paes é mestre, doutor em Direito e desembargador do TRT-PI)

Comentários

  1. Na pratica o que se vê, é uma bandalha com os trabalhadores. O empresário de mão de obra, abre a empresa, bota no bolso o que seria pago ao trabalhador(a maior parte), depois fecha a empresa e não indeniza ninguem. Existem trabalhadores com ação na justiça ha mais de cinco anos, e nada acontece porque as tais empresas de mão de obra, não tem patrimonio para cobrir as ações. Isso ninguem vê! É uma zona.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…