Pular para o conteúdo principal

O ridículo, o ridículo...


É difícil achar um tipo tão ridículo como o Dr. Mesóclise.

A cada dia ele se supera.

Hoje, brilhou na reunião do semimorto Conselhão, aquela reunião de notáveis que fazem de conta que têm palpites preciosos para a resolução dos problemas do país.

Vale a pena ler a íntegra da notícia da Agência Brasil, um press release impagável.

Do jeito que as coisas vão, o Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas serão em breve contratados pela Globo para protagonizar algum programa humorístico.


Temer pede que Conselhão faça divulgação positiva do governo

O presidente Michel Temer quer a ajuda dos integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES)s, o chamado Conselhão, no sentido de divulgar “de forma positiva” as ações que estão sendo planejadas e implementadas pelo governo federal. “É preciso até uma certa ladainha; repetir várias vezes. Isso vai entrando no espírito e na alma, deixando as pessoas animadas”, pediu o presidente em uma das intervenções.

“A comunicação realmente é fundamental. Que os senhores se comuniquem pelo governo. [E que o façam] de uma forma positiva”, disse Temer, pedindo que, em suas rotinas, os conselheiros “propaguem” ao máximo o que será debatido nas reuniões.

Criado em 2003, o CDES tem o objetivo de assessorar o presidente da República e os demais órgãos do Poder Executivo na elaboração de políticas públicas, articulando as relações do governo com os setores da sociedade civil representados. A versão atual do grupo teve 67% de seus membros renovados e teve como tema da primeira reunião a retomada do crescimento econômico.

Temer citou novamente a frase “não fale da crise, trabalhe”, que viu estampada em um posto de gasolina. “Verificaram que o posto de gasolina faliu, mas isso não desvaloriza a frase”, disse o presidente ao lamentar ver o “desapreço” das pessoas às instituições. “Isso não pode ocorrer”, falou.

Segundo o presidente, o governo vem tendo ““compreensão da classe trabalhadora”, apesar de algum “confronto de ideias” que vem sendo verificado em sindicatos. “Mas faremos muitas reuniões para chegar a um consenso. Isso significa que tanto trabalhadores como empresários precisarão abrir mão de algo”.

Comentários

  1. Alguem precisa reclamar no Procon. Elegemos a Dilma, e nos entregaram essa mercadoria de segunda. Não, não e não. Querem me dar um despachante de cartório no lugar de um Presidente. Quero meu voto de volta. Me recuso a receber essa encomenda.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…