Pular para o conteúdo principal

Nem os golpistas acreditam mais na recuperação econômica


Quando até o governo golpista anuncia que  reviu, para baixo, a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas em um país) do ano que vem, de 1,6% para 1%, é sinal de que as coisas andam muito, mas muito ruim, na economia. Para 2016, a previsão, que era de queda de 3%, passou para 3,5%.

Os novos números da tragédia brasileira foram informados pelo secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fábio Kanczuk. Segundo ele, a inflação oficial, medida pelo IPCA deverá ficar em 4,7% em 2017, ante 4,8% estimado em agosto. Para este ano, a projeção caiu de 7,2% para 6,8%.


Em agosto, o governo havia chegado a rever para cima a previsão do PIB para 2017, de 1,2% para 1,6%. Mas não demorou para o governo cair na real: segundo Kanczuk, a revisão atual tem relação com o quadro de endividamento das empresas e o aumento da percepção de risco pelo mercado. De acordo com ele, o spread (diferença entre o custo do dinheiro para o banco e o quanto ele cobra para emprestá-lo) está subindo, o que sinaliza um crédito mais caro e maior risco atribuído pelo setor bancário às empresas.

Na coletiva em que anunciou os números, o secretário não conseguiu  esconder o pessimismo do governo, que, entretanto, ainda não abandonou o discurso fantasioso de que espera uma recuperação na economia: “O risco está puxando os spreads para cima. A gente continua falando de recuperação econômica, mas tem um pouco de atraso para que haja essa digestão do aumento da dívida sobre o lucro das empresas.”

Kanczuk admitiu que o PIB menor pode levar a queda das receitas do governo, o que dificultaria o cumprimento da meta fiscal neste ano e no próximo. No entanto, ele não deu uma estimativa do possível impacto e disse que "outros fatores" poderiam influenciar positivamente a arrecadação...

“Se nenhuma outra projeção for alterada, a projeção de receita cai. Mas tem um monte de outros fatores (???) acontecendo ao mesmo tempo. A projeção de receita também é feita em função de câmbio, de massa salarial. Há outras coisas para apurar com cuidado e ver o que vai acontecer.”

Como se vê, a equipe econômica está mais perdida do que cego em tiroteio. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Para nós que não moramos em Brasilia, o problema é que, além da cegueira dos (pseudo) governantes(golpistas), o tiroteio já começou. No bairro em que moro, os assaltos aumentaram, e os traficantes exibem poder descarregando suas armas de guerra diáriamente.Só quero ver quando o Estado não tiver dinheiro para pagar a polícia.Pelo menos peço um enterro decente, pra não levar bicada de urubu na bunda.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…