Pular para o conteúdo principal

Engenheiros pedem retomada de obras públicas paradas

A crise provocada pelos golpistas vai encontrando resistências de todos os lados. Agora, são os engenheiros que, por meio da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), pedem para o governo resgatar e dar continuidade a milhares de obras públicas paradas em diversas localidades.

O pedido foi feito pelo presidente da FNE, Murilo Pinheiro, em Encontro Nacional da Engenharia, em Barra Bonita, interior de São Paulo. "É preciso atuar no sentido de retomar os investimentos, dar andamento às milhares de obras públicas que se encontram paradas, gerando prejuízos à sociedade”, disse.


Cerca de 700 profissionais da engenharia estão reunidos no evento “Mobilização pela retomada do crescimento e valorização dos profissionais” em encontro nacional para discutir formas de ajudar a economia brasileira a sair da recessão, voltando a gerar emprego e renda.

“O objetivo primordial do nosso encontro: de uma forma democrática, séria, responsável, debatermos os temas e apontarmos soluções possíveis para uma das piores crises que já vimos em nosso país, que trouxe 12 milhões de desempregados”, afirmou Pinheiro.

A retomada das milhares de obras públicas paralisadas seria uma importante medida para ajudar o ambiente econômico. O reinício desses empreendimentos geraria frentes de trabalho, ajudaria na melhora da infraestrutura das cidades ao mesmo tempo em que concluiria investimentos já iniciados que estão parados, gerando prejuízos aos cofres públicos, apontou o engenheiro.

A volta dessas obras é uma defesa da FNE no âmbito da Frente Parlamentar Mista da Engenharia, da Infraestrutura e do Desenvolvimento.

Criada no último dia 22 de novembro, em Brasília, a frente passa a atuar no debate das matérias associadas à engenharia e que são capazes de ajudar na melhora dos investimentos. Uma das primeiras iniciativas será o debate das formas para que as obras paradas sejam reiniciadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…