Pular para o conteúdo principal

E aí, Temer, que tal um impeachment?

Movimentos sociais, juristas e oposição ao governo ilegítimo na Câmara dos Deputados e no Senado Federal vão entrar com pedido de impeachment de Michel Temer na próxima terça-feira (6). 

O pedido será apresentado pelas entidades da sociedade civil e será apoiado pelos parlamentares da oposição. Também será feito um pedido de alteração da Constituição permitindo a eleição direta para presidente mesmo após três anos da eleição formal.

“Acho que estamos dando a resposta certa para o tamanho da crise política violentíssima, que envolve diretamente o presidente, que cometeu crime de responsabilidade, ele fez advocacia administrativa”, afirmou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Em outra frente de pressão contra os golpistas, o parlamentares do PT e PCdoB  entregaram uma representação ao Ministério Público, pedindo apuração dos envolvimento do presidente Michel Temer no escândalo que derrubou o ministro Geddel Vieira Lima.

O objetivo é fazer a Procuradoria Geral da República (PGR) abrir uma investigação contra Temer pela prática dos crimes comuns de concussão e advocacia administrativa, que seria de exigir ou de patrocinar uma causa junto ao serviço público que na verdade tem um interesse privado.


O caso veio à tona quando o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, denunciou que o então ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, o pressionou para liberar a construção do Edifício La Vue, em Salvador (BA), empreendimento embargado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pois teria interesses particulares no prédio.

De acordo com Calero, o próprio Temer teria feito pressão para que o MinC liberasse o empreendimento.

O presidente ilegítimo tentou se defender, afirmando que apenas “arbitrou” conflito entre os dois ex-ministros. E, por isso, teria sugerido levar o caso à Advocacia-Geral da União (AGU).

Para o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), não havia conflito de posição entre dois órgãos do governo federal e, portanto, não havia justificativa para acionar a AGU.

“Pior de tudo é que não se tratava de nada que dissesse respeito ao interesse público e sim ao interesse privado do ministro e de outras pessoas, talvez associadas a ele”, completou Humberto.

Para ele, Temer deveria renunciar, “se tivesse grandeza política e moral”.

No caso de uma renúncia ainda este ano, haveria a convocação de eleição direta para o início de 2017. Porém, com o impeachment, ocorrerá eleição indireta de um novo presidente da República pelo Congresso Nacional.

"O Congresso não tem autoridade para eleger um presidente de forma indireta. Não resolve o problema do país. A crise é muito grande. A crise política, a crise econômica, crise social. É preciso ter a legitimação das urnas, do voto popular", afirmou Lindbergh.

Humberto Costa explicou que a solicitação à PGR não exclui o pedido de abertura do processo de impeachment contra o usurpador Temer.

“Não são coisas excludentes. Estamos tratando, nesse primeiro momento, de um crime comum. Para nós é claro que houve uma prática de crime de responsabilidade. Aliás, praticar um crime no exercício do mandato tem como consequência direta a caracterização como crime de responsabilidade e a possibilidade de um impedimento. Mas para isso precisamos fundamentar bem esse pedido”, afirmou.

Além da representação na PGR, Humberto Costa decidiu, também, enviar pedidos de informações à ministra Grace Mendonça, da AGU, ao ministro Eliseu Padilha, da Casa Civil, e ao ministro Roberto Freire, atual na pasta da Cultura.

O pedido de informações busca elucidar que solução a AGU poderia dar ao caso, já que, diferente do que afirmou o usurpador Temer, não houve “conflito entre órgãos”, e sim conflito entre interesse particular e interesse público.

Já para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, "ninguém do governo faz nada a não ser falar da dívida pública". Segundo Lula, "se eles não sabem governar, peçam desculpa para nós, vão embora, e deixa a gente governar, porque a gente sabe governar”.

“Se a gente quiser resolver a economia deste país, a gente tem que colocar os pobres dentro do Orçamento da União. Sem isso, não tem solução”, disse Lula.

A afirmação de Lula se dá em um contexto político-econômico atual em que, na contramão do que se fez nos últimos 13 anos no Brasil, a busca pelo crescimento da economia exclui as classes mais baixas do mercado de consumo – via políticas de arrocho econômico e abandono de programas sociais que já provaram sua eficácia.

Comentários

  1. Não sei quem disse na época do impeachment, que Dilma estava sendo "demitida por justa causa". Agora percebemos que o autor(a) da frase é gente de aguçada visão de futuro. Nada mais "justo", que o Gedel comprar seu apartamentinho na Bahia. Justissima causa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…