Pular para o conteúdo principal

Brasil, o paraíso dos picaretas


O avassalador avanço dos evangélicos brasileiros na área da comunicação e na política inspirou os colegas estrangeiros, que se preparam para abocanhar uma fatia de "fiéis". Exemplo disso é o evento programado para os dias 22 e 23 em Brasília, no qual um tal de Parlamento & Fé Brasil vai apresentar as suas "propostas".

O release distribuído pela entidade dá algumas pistas do que seja o tal movimento: 


Com a proposta de inspirar pessoas que queiram transformar a nação brasileira, o evento Expansão do Parlamento & Fé Brasil reunirá representantes de todos os estados na capital federal. Apesar de não possuir o viés político, o principal objetivo dos participantes é evangelizar e pastorear parlamentares e pessoas ligadas a eles. Neste encontro, um dos convidados é o Pr. Luciano Bongarra, argentino que idealizou o movimento internacional há cerca de nove anos e vem evangelizando políticos em toda América Latina, Europa e Estados Unidos, em especial nos parlamentos argentino, paraguaio, uruguaio, chileno, italiano, espanhol, venezuelano, mexicano e agora brasileiro.

"Nossa grande missão é estar aqui para servir, demonstrando como as pessoas podem retornar à verdade bíblica e, assim, transformar sua vida, a sociedade e depois a nação", explica o Pr. Gessé de Roure Filho, advogado e diretor nacional do Parlamento & Fé Brasil. Uma das leituras da Bíblia que servem como diretriz para o grupo é justamente a passagem de Romanos 12:2, que fala sobre o poder da mudança: "E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus".

Além do Brasil, onde o movimento começou a se reunir em dezembro de 2015, Argentina, Uruguai, Bolívia, México, EUA, Alemanha e Suíça são alguns dos países onde a organização cristã Parlamento e Fé está presente. No total, já são mais de 10 países, e a representatividade segue em expansão pelo mundo.


Sei não, mas parece que o Brasil vai se tornando, rapidamente, aquilo que a sabedoria popular chama de "casa da mãe Joana", um lugar onde picaretas, oportunistas e aventureiros de todos os quilates se sentem perfeitamente bem instalados.

Comentários

  1. Prezado Motta. Com todo respeito as Instituições sérias, parece que no Brasil, as nossas autoridades não se deram conta(ou se deram, não sei), que a bandidagem encontrou o caminho das pedras, para formar quadrilhas e praticar todo tipo de crimes, como : estelionato, trafico de drogas, lavagem de dinheiro ilicito, trabalho escravo etc... entre outros. Basta se autodenominar, religioso, ong, ou partido politico. Pronto, liberou geral.
    O resultado é o assunto do post. Não bastasse os nossos, estamos importando picaretas. Já as vitimas de guerras e outras catastrofes, não são benvindas. Parece que o espirito dos tres patetas, anda baixando nos governantes mundiais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…