Pular para o conteúdo principal

Atividade econômica prossegue muito reprimida

Dados do Ministério da Fazenda mostram revisões para baixo sobre o crescimento da economia. O governo revisa as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB), que vai cair mais do que esperado em 2016 e crescer menos em 2017. Em números, a expectativa é de que o PIB caia 3,5% em 2016 e não 3% como mensurado em agosto pelo governo. Para 2017, a expectativa é de um crescimento de apenas 1% e não mais 1,6%, como era esperado nas projeções anteriores.

No dia 30 de novembro será divulgado pelo IBGE o PIB no terceiro trimestre deste ano. Desde a divulgação do PIB no trimestre anterior, as perspectivas de algum crescimento neste trimestre se frustraram completamente. 

Mesmo uma recessão menor se mostrou improvável. Se avaliarmos a atividade econômica pelo chamado IBC-Br – utilizado como um indicador de "antecedente" do PIB – o ano de 2016 tem mostrado a gravidade da crise econômica brasileira. A despeito do arrefecimento da contração no segundo trimestre de 2016, o índice voltou a apresentar forte retração no acumulado do terceiro trimestre do ano.


Em uma crise econômica aguda, a ausência de ações anticíclicas contundentes, a retração do papel do BNDES no fomento dos investimentos, a alta volatilidade cambial e os juros adversos ao setor produtivo sobrepujaram qualquer tentativa de recuperação econômica.

Nos últimos meses, os indicadores de confiança da indústria e do comércio passaram a dar sinais de reversão de uma possível retomada. Além disso, o aumento de incertezas no front externo com a eleição de Donald Trump também pode colaborar para a maior lentidão na recuperação dos investimentos, uma vez que a aversão ao risco dos investidores internacionais deve se elevar. 

Com essa conjuntura interna e externa desfavoráveis, a estabilização do nível de atividade deve ocorrer apenas em 2017, com um nível baixo de emprego e renda, além de grande capacidade ociosa nas empresas produtivas. 

A contenção dos gastos públicos, por meio da PEC 55 e outros mecanismos, retira do Estado a capacidade de atuar de maneira anticíclica, deixando o país totalmente dependente das decisões de investimento do capital privado. Investimentos privados, de empresas domésticas, são improváveis dado o arrefecimento da demanda interna. Do ponto de vista da entrada de capital estrangeiro para investimentos produtivos, a alta volatilidade cambial e o alto patamar das taxas de juros desestimulam qualquer projeto por mais otimista que seja. 

Em suma, a crise é grave e as ferramentas de política econômica têm agido de forma contraproducente para a retomada da economia. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Em governo de golpista boiola, a atividade econômica fica enrustida.La pra 2050 ela sai do armário. Cruz credo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…