Pular para o conteúdo principal

Vendas despencam no Dia das Crianças. Comércio fatura R$ 2,2 bi a menos

Os dados de dois serviços de proteção ao crédito, o SPC Brasil e o Boa Vista SCPC, mostram que a atividade econômica do Brasil Novo se deteriora a cada instante: de acordo com o SPC Brasil, a queda de vendas no Dia das Crianças foi de 9,2% na comparação com o ano passado, e segundo o Boa Vista SCPC, o recuo foi de 4,2%, na mesma comparação.

A queda nas vendas no Dia das Crianças neste ano, registrada pela pesquisa do SPC Brasil/Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, foi a terceira consecutiva: no ano passado as vendas registraram uma variação negativa de -8,95%, e em 2014, retração de 1,50%. Em anos anteriores, os resultados foram positivos: altas de 3,15% (2013), 4,83% (2012),5,91% (2011) e 8,5% (2010).


Segundo o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, o resultado é consequência da crise econômica: “Com o acesso ao crédito mais difícil, os juros elevados e a inflação mais alta, o poder de compras do brasileiro fica cada vez mais limitado.” 

Neste ano, segundo um levantamento do SPC Brasil, os presentes mais procurados foram as roupas (42,8%), bonecos e bonecas (36,5%), e jogos educativos (24,8%).

Os números do Boa Vista SCPC, embora diferentes, também mostram que em 2016 as vendas do comércio no Dia das Crianças recuaram. Segundo a entidade, a queda foi de 4,2% quando comparadas com o ano passado. Em 2015, as vendas no comércio caíram 3,4% frente ao mesmo período de 2014. Com isso, o resultado registra seu pior desempenho para a série histórica do Dia das Crianças, iniciada em 2008.

A FecomercioSP estimou que o faturamento total no varejo foi 3,9% menor do que em 2015 (descontada a inflação), cerca de R$ 2,2 bilhões a menos do que no ano passado. Essa estimativa é feita com base na projeção de uma nova queda real no faturamento do comércio varejista no Brasil em outubro, na proporção de vendas do período do Dia das Crianças em relação ao total do mês e no resultado de queda de 4,2% no número de consultas da base de dados da Boa Vista SCPC.

A queda das vendas no Dia das Crianças, segundo a entidade, acompanha o recuo generalizado da atividade econômica, influenciada pelos juros elevados, maior desemprego e cautela dos consumidores.

Comentários

  1. Vamos bater panela, prezado Motta. Só de sacanagem! Vem mais arrocho (para o trabalhador, claro) por aí. E tome ferro nos empresaros. Quem manda ser burro?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…