Pular para o conteúdo principal

Reforma no ensino médio: cada vez mais, cada vez menos

Daniel Medeiros

Mr. Holland, personagem vivido por Richard Dreyfuss, passou 30 anos ensinando música no Ensino Médio, até ter de se aposentar por causa do corte de verbas da disciplina, em um desses momentos nos quais a racionalização dos recursos para a Educação, cada vez mais escassos, exigia fazer escolhas. E, é lógico, o dinheiro sobrava para as coisas mais “úteis”, mais “práticas”, mais “adequadas” para o futuro imediato dos jovens. A ideia de uma Educação como preparação e não como formação é a ideia de morte da Educação e a vitória do adestramento, da domesticação, do treinamento para ser trabalhador e não para ser gente.

O fim do filme é a redenção dos que sofrem com a estupidez das ideias práticas, como se elas fosses as únicas possíveis , necessárias. Antes de deixar a escola, o professor veterano é chamado para ir a uma sala e lá, para a sua surpresa, estão homens e mulheres que foram seus alunos de música ao longo dos 30 anos, para homenageá-lo. Lá está, inclusive, a governadora do Estado, com seu clarinete que um dia foi seu tormento, mas que, graças ao empenho e dedicação do professor que sabia que o aprendizado não é de uma disciplina mas de um jeito de viver, conseguiu superar e, com isso, aprendeu a ultrapassar outras dificuldades e tornar-se chefe do Executivo. Ah, como é imensa a miopia dos utilitaristas!


Empobrecer o currículo do Ensino Médio é como destruir a floresta. Perde-se, antes de conhecer, a chance de tantas descobertas; elimina-se, pela raiz, talentos e criações. Mas, acreditam os burocratas, ganha-se em maior “interesse” dos alunos e diminui-se a evasão. Como se a evasão fosse pelo excesso de disciplinas. A evasão é pela falta de significado dos conhecimentos produzidos pela escola, pela falta de envolvimento dos que deveriam ser seus protagonistas, pela falta de cumplicidade com o conhecimento que nos torna, a todos, mais humanos.

Há um diálogo de milhares de anos ao qual chamamos de conhecimento. Um diálogo que nasce com a perplexidade e com a curiosidade, com o ceticismo e com a inquietação. Esses são os sentimentos que precisam ser resgatados na escola. Tendo-os, não haverá limites para o que se queira aprender, pois que somos pequenos e o tempo é curto para tanto. Se não se cria uma comunidade de aprendizado; se não se apresenta os mistérios do mundo como aventuras para as quais todos são “detetives” convidados: se não se envolve, de corpo e alma, na dúvida e na dificuldade, não como um discurso de fracasso, mas como um desafio para a superação, aí que se fechem as portas e transformem as escolas em, sabe-se lá, pátios de shoppings. Terá melhor proveito.

A reforma proposta pelo síndico de plantão do Executivo nacional faz do Ensino Médio menos do que poderia ser. Menor, mais tímido, mais defasado. Certamente venderão os resultados como “conquistas”. Quando se acha que sair de 3,7 e chegar a 4,2 é uma conquista, quando se pode sair de perplexidades e chegar a maravilhamentos, quando se pode sair de mistérios e chegar a singulares revelações, bom, isso diz mais de quem está propondo a reforma do que dos jovens que nem perceberão o quanto sairão mais pobres e desvalidos de mais esse capítulo triste da história da educação nacional.

(Daniel Medeiros trabalha no ensino médio há 32 anos. É doutor em Educação pela UFPR e professor do Curso Positivo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…