Pular para o conteúdo principal

Patrões se recusam até a repor a inflação para os jornalistas


Os donos de jornais e revistas da capital paulista, num repente de generosidade, ofereceram, em vez dos 3% propostos até então, uma nova proposta salarial aos jornalistas, na última rodada de negociações: reajuste de 9,82% para salários até R$ 2.719; de 7% para salários entre R$ 2.719,01 e R$ 4.350; de 6% entre R$ 4.350,01 e R$ 13.472; e, acima desse valor, um fixo de R$ 808,32.

Além de reajuste escalonado, os patrões propuseram pagamento parcelado em três vezes, assim como o pagamento do valor fixo, sendo o primeiro a partir da assinatura do acordo e retroativo a junho, o segundo em janeiro e o terceiro em abril de 2017, às vésperas da próxima data-base. A proposta patronal foi rejeitada pela direção do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo.


O sindicato propôs apresentar uma proposta alternativa em nova rodada, depois de consultar a categoria em visitas às redações na próxima semana, entre segunda (10) e sexta (14), e em assembleia no dia 17 de outubro, na sede da entidade, no centro paulistano.

Outro problema que levou a bancada dos jornalistas a não aceitar a proposta é que os empresários querem que o reajuste para reposição da inflação incida somente sobre os salários, sem contemplar outras cláusulas econômicas como os vales refeição e alimentação e o auxílio creche.

Na mesa de negociação, os sindicalistas reforçaram que continuam defendendo a reposição da inflação em toda a pauta econômica e recordaram aos patrões que o reajuste escalonado por faixa salarial já levou ao achatamento da remuneração em convenções coletivas de anos anteriores.

Os empresários reconheceram que a proposta “está aquém das expectativas da categoria”, mas seguem na toada da crise como desculpa para não atender a pauta dos jornalistas, afirmando que estão “fazendo esforço em apostar que lá na frente o cenário vai melhorar”.

Em praticamente todo país, as negociações coletivas de salários dos jornalistas estão emperradas pela deliberada ação dos empresários do setor de não negociar nem mesmo a reposição da inflação. Ainda mais grave é a posição do patronato de não aceitar que os impasses sejam resolvidos pela Justiça do Trabalho.

Dos 31 Sindicatos de Jornalistas filiados à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) apenas oito conseguiram fechar suas convenções e/ou acordos coletivos. Em muitos casos, as negociações arrastam-se desde o início do ano. E em pelo menos um Estado, Alagoas, os patrões recorreram ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) para reverter a decisão do TRT, que julgou o dissídio coletivo e determinou a reposição salarial pela inflação do período (9,83%).

Para a Fenaj e os sindicatos de Jornalistas, está evidente que houve um conluio das empresas do setor para intensificar o arrocho salarial imposto à categoria. Os prepostos das empresas foram para as negociações coletivas decididos a não aceitar a reposição salarial anual, reconhecida como um direito dos trabalhadores pela Justiça do Trabalho.

As empresas também se negam a discutir questões sem impacto econômico, como a implementação da Cláusula de Consciência – para garantir ao jornalista o direito o exercício ético da profissão – e a adoção de medidas para garantir a segurança dos jornalistas quando expostos a situações de risco.

A categoria dos jornalistas é uma das que mais sofreram nos últimos anos com demissões em massa, sobrejornadas, precarização das relações de trabalho, desvalorização profissional e baixos salários. Já não há como se promover mais arrocho sem aviltar as condições de vida dos jornalistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…