Pular para o conteúdo principal

O ministro Barroso, o Conselheiro Acácio e a Lei de Gerson

O ministro do STF Luís Roberto Barroso se diz chocado com o grau de delinquência do Brasil.

Impressionante.

Não o grau de delinquência que chocou o ministro, mas a sua ignorância.

Ora, não é preciso ser nenhum gênio, nem estudioso, nem se debruçar em teses acadêmicas, para se chegar à conclusão que o excelso ministro chegou.

O Brasil seria uma gigantesca Suécia se as suas leis fossem cumpridas.

Pois, pasmem, o Brasil tem leis para tudo - e a maioria delas boas leis, capazes de garantir o mínimo de equilíbrio numa sociedade tremendamente desequilibrada.

O problema todo é que essas leis são ignoradas, quando não descumpridas à luz do dia, sem dó nem piedade.

O brasileiro médio vive imerso na corrupção, grande ou pequena, não sobrevive sem uma dose diária dela, é um contraventor contumaz.


A única lei que segue fanaticamente é uma que está fora dos compêndios, mas que foi elevada à condição de fio condutor da conduta moral, ética, profissional e pessoal do homem comum - aquela que diz que é o importante é levar vantagem em tudo, a famosa Lei de Gerson.

O Brasil, porém, não estaria nessa situação de plena delinquência, como observou o ministro Barroso, se as suas autoridades, desde sempre, tivessem não só cumprido as leis outras que não a de Gerson, mas feito com que elas fossem cumpridas.

E entre essas autoridades obviamente estão incluídas Suas Excelências os digníssimos juízes, magistrados, desembargadores etc e tal, que compõem uma vasta casta de privilegiados incumbidos de distribuir Justiça para todos - e de impor o cumprimento das leis, não só a de Gerson.

Mas o Judiciário brasileiro é isso que vemos, um Poder despudoradamente corporativo, viciado em ritos e salamaleques, sem nenhum controle externo e, portanto, francamente aberto a todo tipo de corrupção, ilegalidades e crimes. 

Antes de se dizer chocado com a delinquência no Brasil, o ministro Barroso bem que poderia fazer alguma coisa prática para diminuí-la.

Mas pelo jeito ele prefere agir como o Conselheiro Acácio, o imortal personagem de Eça de Queirós, doutor do óbvio e PhD em platitudes. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…