Pular para o conteúdo principal

O ignorante é responsável pela sua ignorância


Quando eu era mais jovem, muito tempo atrás, gostava de me meter em polêmicas, adorava uma boa discussão.

Com o passar dos anos fui perdendo o gosto por essas contendas. 

Hoje, não perco o meu tempo tentando mudar a opinião de ninguém. 

Cheguei a conclusão de que isso é uma tremenda bobagem, perda de tempo, esforço inútil.

Da mesma forma que, dificilmente, alguém vai me fazer acreditar que o Rogério Ceni foi um goleiro melhor que o Marcos, ou que, em nossa sociedade pré-capitalista, quase escravocrata, o sucesso individual se deve à meritocracia, eu jamais vou fazer a cabeça do sujeito que é fã do Bolsonaro, muito menos daquele que obedece o seu "pastor" e paga a ele, com a inocência de um bebê, um dízimo que vai lhe assegurar prosperidade neste mundo e um lugar na primeira fila do paraíso. 

Sigo a linha de pensamento de José Saramago, notável escritor e ser humano admirável, que certa feita, disse, numa entrevista, algo que ratificou o meu desinteresse em persuadir alguém a pensar como eu: "Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro."  

Por essas e outras, encaro com naturalidade o resultado destas eleições municipais, apesar de lamentar muitas das opções feitas pelos eleitores.

Mas fazer o quê?

Cada um pensa como quer, cada um faz as escolhas que julga melhor.

O eleitor brasileiro, na média, segue o padrão do brasileiro: é ignorante, no sentido de ter informação mínima sobre o mundo em que vive, e de pouca inteligência, muitas vezes incapaz até de relacionar causa-efeito, ou de pensar logicamente.

Ocorre que ele é ignorante por opção, pois hoje em dia são inúmeros os meios de se informar, de se educar e de evoluir cultural e intelectualmente. 

E se ele é burro, sinto muito, mas isso não tem conserto: vai puxar carroça o resto da vida.

Uma campanha eleitoral é uma oportunidade ímpar para as pessoas exercerem sua cidadania, refletirem sobre o que é melhor para a sociedade em que vivem, se manifestarem sobre que vida querem para elas e para as gerações futuras. 

Mas se elas optam por jogar fora seu voto, votam em benefício próprio, elegem seus inimigos de classe, ou mesmo trocam um bom projeto de governo por uma manifestação de ódio e preconceito, isso é problema delas. 

Não é voz corrente que os homens são responsáveis pelos seus atos?

(Carlos Motta)

Comentários

  1. Toda razão. O Brasil,hora anda pra frente, hora anda pra trás. Os pobres empacados são espertamente manipulados, e lá se vão os avanços, e lá se vem os ladrões. Difícil. Arregacemos as mangas e mãos à obra, pra frente é que se anda(as vezes).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…