sábado, 1 de outubro de 2016

O conto do vigário do candidato "não político"

Uma das maiores bobagens que ouço sempre que tem eleição é sobre candidatos que "não são políticos".

Nesta, então, está cheio de "não políticos" concorrendo.

Aqui mesmo em Serra Negra, os correligionários de um dos candidatos, de oposição ao prefeito, falam isso de boca cheia, como se essa fosse a sua principal qualidade.

Na capital, João Dólar deve ter conseguido um monte de votos graças a esse tipo de marketing.

O processo de criminalização da política em geral e dos políticos em particular vem de longe.

Diariamente os meios de comunicação mostram os crimes cometidos por políticos de todos os níveis, como se eles fossem responsáveis por tudo de ruim que ocorre no Brasil - e no mundo.

Político não presta - a frase já virou verdade para grande parte da população brasileira.

Essa é uma das estratégias mais manjadas para abrir espaço a aventureiros de diversos calibres.

Mas se as pessoas tivessem um mínimo de capacidade de raciocínio, perguntariam: mas se o sujeito não é político, porque se filiou a um partido político e disputa uma eleição como qualquer outro político profissional?

Infelizmente tem muita gente que cai nesse conto do vigário.

É uma pena que as escolas não ensinem aos alunos as noções básicas de cidadania, e assim contribuam para a formação de gerações de analfabetos políticos - essa praga que assola o país desde há muito tempo e contribui para que o Brasil seja o campeão mundial da desigualdade. (Carlos Motta) 

Um comentário:

  1. Já perceberam que é facil, fácil, abocanhar o dinheiro público. Lá por cima já virou festa. Quem vai interferir? Na minha região estão disputando eleitor, na bala.

    ResponderExcluir