quarta-feira, 19 de outubro de 2016

O arquivo vivo virou um peso morto

A prisão do ex-deputado federal Eduardo Cunha, por ordem do juiz Moro, dá o que pensar.

Afinal, foi pedida e cumprida apenas um dia depois de o mesmo juiz ter dado um prazo de dez dias para o ex-deputado apresentar a sua defesa na acusação de ter recebido propinas em um contrato para exploração de petróleo na África e de usar contas na Suíça para lavar dinheiro. 

O fato é que a sua prisão ocorre num momento em que são cada vez mais fortes os boatos da iminente detenção, também por ordem do mesmo juiz, do ex-presidente Lula.

O senso comum, escorado na notória partidarização da atuação do juiz Moro, em colaboração com integrantes do Ministério Público, Polícia Federal e Judiciário, indica que a prisão de Cunha visa tão somente contrabalançar a de Lula.


Há ainda quem diga que o juiz Moro não poderia ter tomado outra decisão, tal o peso das provas contra o ex-deputado e o seu notável poder econômico, capaz de, facilmente, obstar as investigações - se é que elas existem na Lava-Jato.

E, ainda, há aqueles que supõem que a prisão de Cunha nada mais é que o gatilho que acionará a deposição de Temer, que estaria envolvido, até o pescoço, nos negócios do ex-deputado, abrindo caminho para a ascensão de um tucano ao poder central.

Seja lá o que estiver por trás da medida, uma coisa é certa: os seus desdobramentos não serão poucos e nem pequenos.

Cunha é um homem bomba, que abusava de sua condição de parlamentar para aumentar sua influência na República e se blindar contra possíveis consequências de seus atos.

Refestelou-se, lambuzou-se tanto que nem mesmo o trabalho sujo que prestou à plutocracia, conduzindo o golpe que destituiu a presidenta Dilma, foi capaz de preservá-lo.

A marca de corrupto em sua testa ficou visível demais, mesmo neste país de corruptos.

O arquivo vivo virou um peso morto.

Foi preciso removê-lo do escritório para o porão, onde, longe dos olhos, seu destino será selado. (Carlos Motta)

Um comentário:

  1. Tempos de golpe. Escândalo em cima de escândalo. Golpista chantageando golpista. Golpista prendendo golpista. Golpista fazendo nossos ouvidos de penico. E o País indo pro brejo. É uma zona.

    ResponderExcluir