Pular para o conteúdo principal

O arquivo vivo virou um peso morto

A prisão do ex-deputado federal Eduardo Cunha, por ordem do juiz Moro, dá o que pensar.

Afinal, foi pedida e cumprida apenas um dia depois de o mesmo juiz ter dado um prazo de dez dias para o ex-deputado apresentar a sua defesa na acusação de ter recebido propinas em um contrato para exploração de petróleo na África e de usar contas na Suíça para lavar dinheiro. 

O fato é que a sua prisão ocorre num momento em que são cada vez mais fortes os boatos da iminente detenção, também por ordem do mesmo juiz, do ex-presidente Lula.

O senso comum, escorado na notória partidarização da atuação do juiz Moro, em colaboração com integrantes do Ministério Público, Polícia Federal e Judiciário, indica que a prisão de Cunha visa tão somente contrabalançar a de Lula.


Há ainda quem diga que o juiz Moro não poderia ter tomado outra decisão, tal o peso das provas contra o ex-deputado e o seu notável poder econômico, capaz de, facilmente, obstar as investigações - se é que elas existem na Lava-Jato.

E, ainda, há aqueles que supõem que a prisão de Cunha nada mais é que o gatilho que acionará a deposição de Temer, que estaria envolvido, até o pescoço, nos negócios do ex-deputado, abrindo caminho para a ascensão de um tucano ao poder central.

Seja lá o que estiver por trás da medida, uma coisa é certa: os seus desdobramentos não serão poucos e nem pequenos.

Cunha é um homem bomba, que abusava de sua condição de parlamentar para aumentar sua influência na República e se blindar contra possíveis consequências de seus atos.

Refestelou-se, lambuzou-se tanto que nem mesmo o trabalho sujo que prestou à plutocracia, conduzindo o golpe que destituiu a presidenta Dilma, foi capaz de preservá-lo.

A marca de corrupto em sua testa ficou visível demais, mesmo neste país de corruptos.

O arquivo vivo virou um peso morto.

Foi preciso removê-lo do escritório para o porão, onde, longe dos olhos, seu destino será selado. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Tempos de golpe. Escândalo em cima de escândalo. Golpista chantageando golpista. Golpista prendendo golpista. Golpista fazendo nossos ouvidos de penico. E o País indo pro brejo. É uma zona.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…