Pular para o conteúdo principal

É possível uma outra reforma da Previdência?



A reforma da Previdência tem sido tema colocada em pauta já há algum tempo, sendo que existem diferentes propostas para que ela seja feita. A proposta defendida recentemente pelo atual presidente golpista, Michel Temer, representa apenas um segmento da sociedade (os empresários), já que pauta o problema apenas sob a perspectiva da redução dos gastos. Segundo esta proposta, o aumento do déficit previdenciário é causado pelo crescimento da expectativa de vida dos brasileiros, e sendo assim, a reforma propõe, dentre outras coisas, o aumento da idade mínima para se aposentar. 


Contudo, pesquisadores do mundo do trabalho vêm destacando que é preciso olhar para o outro lado da composição da Previdência Social, o lado da receita que, segundo eles, têm gerado problemas mais sérios do que os gastos. Além disso, uma reforma pautada nesta perspectiva seria mais justa e menos penosa para a classe trabalhadora.

Buscando compreender este viés, podemos destacar que os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Continuada (PNADC) mostram que tem crescido o número de pessoas que trabalham sem carteira assinada no Brasil – um aumento de 142 mil pessoas no último trimestre (junho-agosto) de 2016, e de 484 mil quando se compara este trimestre com o primeiro do ano (ver gráfico acima).

A ausência de carteira assinada, além de expor os trabalhadores à precarização do trabalho (não contribuem para a Previdência e, portanto, não estão cobertos por ela), contribui para o déficit da Previdência por diminuir a arrecadação. Estudos mostram que, somente em 2015, houve uma perda de contribuições de R$ 41,6 bilhões, somente devido a este fator (considerando apenas os trabalhadores empregados no setor privado).

Assim, fica visível que o problema do déficit previdenciário é fruto não apenas de um aumento dos gastos, mas de uma falha na obtenção das receitas. Contudo, este viés não é tratado na proposta de reforma do governo golpista porque impactaria diretamente sobre a classe empresarial que ele representa – são eles quem mais se beneficiam do trabalho sem carteira assinada no Brasil. Isso coloca em xeque a ideia de este governo estaria, de fato, comprometido com a solução do problema do déficit da Previdência, evidenciando, mais uma vez, que esta é mais uma dentre tantas propostas que pretendem ampliar os ganhos dos capitalistas, à custa da perda dos direitos sociais dos trabalhadores.

A ameaça de perda dos direitos deve encontrar resistência dos trabalhadores, e neste sentido, deve haver mobilização e articulação dos setores que os representam (sindicatos, Ministério Público do Trabalho, Justiça do Trabalho, partidos representantes da classe trabalhadora, etc), a fim de evitar a aprovação destas medidas que afetam diretamente os mais pobres. Vale ressaltar que a Previdência tem sido uma das formas de redistribuição de renda no país, e a aprovação desta reforma gerará um enorme problema social no futuro – a pobreza de milhões de brasileiros que, não podendo mais trabalhar, devido à idade avançada, comporão os quadros estatísticos da pobreza e exclusão social no Brasil. (Ednalva Felix das Neves, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…