Pular para o conteúdo principal

Direita também avança no Chile

No último domingo, ocorreram eleições municipais no Chile. Os resultados mostram diminuição no número de votos de quase todos os partidos políticos, crescimento da abstenção e vitória da direita nas prefeituras mais importantes do país.

A taxa de abstenção cresceu 5% em comparação com as municipais de 2012: 65% do eleitorado não votou neste que foi o segundo pleito desde a reforma que retirou a obrigatoriedade do voto.

A coalizão Chile Vamos – oposição ao governo Bachelet, formada pelos partidos Renovação Nacional (RN) e União Democrata Independente (UDI) – foi a força política mais votada, com 38,45% dos votos no total nacional e 143 prefeitos eleitos (17 a mais, em comparação a 2012).

A Nova Maioria - coalizão da presidenta Bachelet integrada pelos partidos Socialista (PS), Democrata Cristão (PDC), Comunista (PC), Radical Social Democrata (PRSD), Partido pela Democracia (PPD) e pelo Movimento ao Socialismo (MAS região) – obteve 37,05% dos votos nacionalmente e elegeu 141 prefeitos, 27 a menos em comparação com 2012.


Ainda em âmbito nacional, 17,37% dos votos foram para candidaturas independentes e 7,13% para outros dezoito partidos que não integram as duas principais coalizões, entre os quais o Partido Progressista, do ex-deputado do PS Marco-Enriquez Ominami, que elegeu um prefeito.




O resultado tem sido interpretado como uma derrota do governo Bachelet, cuja taxa de popularidade atualmente gira em torno de 15%. Embora os percentuais de voto e os números de prefeitos eleitos pela Nova Maioria e pelo Chile Vamos sejam próximos, a direita venceu nas principais prefeituras do país. Vale lembrar que, na divisão político-administrativa do Chile, as prefeituras não correspondem exatamente ao território das cidades. A região metropolitana de Santiago é formada por 52 comunas, das quais 32 estão na província de Santiago e o restante em outras províncias. O que se compreende geograficamente como a cidade de Santiago está dividido em várias comunas (como Santiago-Centro, Providência, entre outras), com seus respectivos prefeitos.

Em Maipú, comuna mais populosa do país e atualmente governada pela Democracia Cristã, a candidata opositora Catherine Barriga saiu vitoriosa. Em Santiago-centro, a atual Prefeita Carolina Tohá (PPD) - ex-ministra do primeiro mandato de Bachelet - perdeu por cerca de 10% para o candidato da Renovação Nacional, Felipe Alessandri, nome pouco conhecido nacionalmente. Em Providencia, a atual prefeita Josefa Errázuriz (candidatura independente, mas com apoio da Nova Maioria) foi derrotada por Evelyn Matthei (UDI), ex-candidata à presidência em 2013. A direita ganhou ainda em comunas com perfil mais popular, como La Florida e Puente Alto, ambas bastante expressivas em número de eleitores e localizadas nos arredores de Santiago.

Na contramão, destaca-se a eleição de Jorge Sharp, em Valparaíso, um ex-dirigente do movimento estudantil de 31 anos, que se apresentou como candidato independente, a partir de uma plataforma de esquerda autonomista (mesmo setor político de Gabriel Boric, um dos líderes do movimento estudantil que se elegeu parlamentar em 2013). Contrariando as pesquisas que previam uma disputa acirrada entre as duas coalizões, Sharp venceu com 46,3% dos votos.

A comparação com 2012 mostra que, em graus variados, a direita venceu no número de prefeitos eleitos, no percentual de votos e no percentual da população que estará sob seu governo nas administrações locais.




As eleições municipais também têm sido interpretadas como um termômetro para as presidenciais que ocorrerão no final de 2017. Por um lado, o ex-presidente Sebastián Piñera, que até o momento aparece como o principal nome da oposição para 2017, sai fortalecido, na medida em que elegeu seus candidatos em prefeituras expressivas, como Santiago e Providência. Os resultados não são bons para as intenções do ex-presidente Ricardo Lagos voltar ao La Moneda e dificultam o desafio de manter a unidade da Nova Maioria para 2017. Além do cenário geral de perda de votos e prefeituras da coalizão, Lagos partilha particularmente a derrota de sua sucessora política, a prefeita de Santiago Carolina Tohá. Por outro lado, as sinalizações do pleito municipal também encontram limites, na medida em que a diferença de votos em âmbito nacional foi mínima e, fora dos grandes centros, as disputas locais são bastante personalizadas e pouco vinculadas aos partidos. (Terra Budini, internacionalista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…