Pular para o conteúdo principal

Brasil Novo se isola do mundo


No esforço de promover cortes de gastos, para cumprir o ajuste fiscal, o Brasil vai suspender sua participação em diversos órgãos internacionais. Para tanto, já solicitou ao Congresso a liberação de R$ 3 bilhões para saldar dívidas com diversos desses órgãos no exterior.

A informação foi prestada pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, em Washington. Segundo ele, também foi incluída uma provisão de R$ 2,5 bilhões no Orçamento de 2017 para o pagamento desses compromissos. A ideia inicial é que o país deixe de integrar seis organismos internacionais. Devido a contribuições não pagas, o Brasil já corria o risco de perder o direito a voto em algumas instituições.


A saída do país de alguns desses órgãos, por outro lado, está sendo vista com apreensão por alguns especialistas, que apontam uma mudança de rumo significativa na condução da diplomacia brasileira. 

Maurício Santoro, professor de Relações Internacionais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ),diz que essa é uma má notícia, que vem em um contexto mais amplo de uma série de cortes de verbas para o orçamento da política externa que resultou inclusive numa greve do Itamaraty, algo muito raro na história brasileira. 

 "Cada uma dessas organizações, mesmo aquelas mais especializadas, exercem alguma função que é interessante para o Brasil, uma cooperação que dê benefícios para o comércio exterior ou para uma área importante de política pública. Mesmo essas organizações que não ocupam as manchetes desempenham algum papel para o Brasil. O custo de participar não é caro, se a gente leva em conta o tamanho da economia e do orçamento público brasileiros." 

Segundo o especialista, essa é uma questão de estabelecer prioridades, e existem outras questões despesas que podem ser reduzidas para não se prejuidicar a inserção internacional do Brasil.

"Vejo dois grandes riscos para a política externa brasileira nesse momento. Um é o custo político da recesão econômica, o custo para as relações do país com outras nações com os cortes que estão sendo feitos no orçamento federal, como fechamento de embaixadas, a retirada do Brasil de organismos internacionais. Esse é um risco grandes, mas que de certa maneira a gente compreende em função da crise econômica. Além disso, vejo um risco político que vem de determinadas opções que estão sendo tomadas pelo ministro das Relações Exteriores e pelo governo como um todo. E o que mais me preocupa tem sido as relações do Brasil com os países latino-americanos." 

Santoro afirma que a presença diplomática do país no exterior tem sido uma política de Estado do Brasil, algo que tem transcendido os vários governos brasileiros a integração da América Latina pelo menos desde a redemocratização. 

"Mesmo se olharmos o presidente José Sarney, que absolutamente não teve nada de progressista, ele teve uma política externa preocupada com a integração, em aproximar o Brasil da Argentina, lançar as bases do Mercosul. O que estamos vendo agora é uma ruptura bastante grande. Olhando o perfil político do ministro Serra, é muito diferente daquilo que o ex-presidente Fernando Henrique tinha feito durante seu governo, sobretudo no segundo mandato, que teve um caráter forte de intregação su- americana", diz Santoro. 

Para ele, em nome de se marcar um afastamento do atual governo com o da presidente Dilma, muitas vezes as autoridades brasileiras estão empurrando para uma política externa que fere princípios muito importantes da nossa história diplomática. (Sputnik Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…