Pular para o conteúdo principal

A reforma do Ensino Médio: rumo à não educação


O anúncio da reforma do Ensino Médio, que foi realizada por meio da Medida Provisória 746, pegou muita gente de surpresa e demonstrou que, dentre tantas outras, essa é mais uma medida do governo atual, empossado de forma ilegítima, pensada para servir a um tipo de sociedade desigual e excludente: com uma proposta de currículo flexível, a educação se aproxima, ainda mais, de um modelo que pretende atender às necessidades do capital, e não da formação plena de um ser humano, capaz de refletir e lutar por direitos. 

Renomados pesquisadores da área de Educação têm chamado a atenção para o risco desta opção de formação, destacando que os jovens estudantes de ensino médio são seres em formação, especialmente, formação política, e que, portanto, adotar este viés tecnicista, neste momento, é correr o risco de “desformar” mais que formar.


 Isso porque um currículo que visa formação técnica tem como objetivo preparar mão de obra para o mercado de trabalho, e não realizar uma formação plena, de cidadãos. Além disso, propor ensino em tempo integral é ignorar a realidade de grande parte dos jovens brasileiros das camadas mais pobres, que conciliam trabalho e estudo na busca por melhorias sociais. 

A escolha por essa reforma não tem preocupação em atender às reais necessidades de mudanças no ensino, no sentido de melhorá-lo. Se assim o fosse, os pesquisadores e educadores que vêm, há muito tempo se debruçando sobre o tema, teriam sido consultados, e não foram. Para um governo que se fez de maneira ilegítima, é importante manter uma massa de pessoas com pouca ou nenhuma formação política! (Ednalva Felix das Neves, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Pela experiência que têm com êles, querem transformar a Educação em fabrica de bandidos, e perpetuar a espécie.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…