Pular para o conteúdo principal

A economia solidária e a crise do governo golpista

A economia solidária, por meio da qual os trabalhadores desempregados buscavam gerar suas próprias condições de sobrevivência, surgiu no Brasil motivada pelo desemprego e pela exclusão social. Organizou-se em um movimento que tem lutado para incluir o tema na pauta das políticas públicas, demandando iniciativas que atendam suas necessidades e contemplem suas especificidades. A criação da Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), no Ministério do Trabalho e Emprego, em 2003, no governo Lula, tinha como objetivo atender a esta demanda.



Na atual conjuntura de crise, os atores da economia solidária (trabalhadores, pesquisadores etc.) enfrentam um cenário de incertezas e inseguranças, uma vez que as políticas de inclusão social têm sido fortemente atacadas pelo regresso do modelo neolibe­ral, fruto de um governo ilegítimo, empossado por meio de um golpe, e que tem claro objetivo de desarticular essas políticas e voltar o modelo que atende ao mercado, mais especificamente ao grande capital. 

A saída do professor Paul Singer da Senaes e sua substituição pelo policial civil aposentado Natalino Oldakoski (uma pessoa desconhecida e sem história prévia com o movimento da economia solidária), feita sem nenhuma consulta ao movimento, causou descontentamento por ferir uns dos mais fortes princípios da economia solidária – o da autogestão. Vale lembrar que no governo do Partido dos Trabalhadores, a construção das políticas públicas para a economia solidária vinha sendo feita por meio de um modelo autogestionário – que preza pela construção coletiva das ações – com representação de vários atores da economia solidária.

A esperança que resta é de que, uma vez que a economia solidária começou motivada pela situação de desespero e total abandono do Estado a uma parcela da população, talvez este cenário sombrio dê força ao movimento para se rearticular e lutar pela defesa deste modelo alternativo de organização do processo de trabalho, bem como pelas políticas sociais conquistadas na Constituição de 1988 e nos governos Lula e Dilma. (Ednalva Felix das Neves, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…