Pular para o conteúdo principal

A economia solidária e a crise do governo golpista

A economia solidária, por meio da qual os trabalhadores desempregados buscavam gerar suas próprias condições de sobrevivência, surgiu no Brasil motivada pelo desemprego e pela exclusão social. Organizou-se em um movimento que tem lutado para incluir o tema na pauta das políticas públicas, demandando iniciativas que atendam suas necessidades e contemplem suas especificidades. A criação da Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), no Ministério do Trabalho e Emprego, em 2003, no governo Lula, tinha como objetivo atender a esta demanda.



Na atual conjuntura de crise, os atores da economia solidária (trabalhadores, pesquisadores etc.) enfrentam um cenário de incertezas e inseguranças, uma vez que as políticas de inclusão social têm sido fortemente atacadas pelo regresso do modelo neolibe­ral, fruto de um governo ilegítimo, empossado por meio de um golpe, e que tem claro objetivo de desarticular essas políticas e voltar o modelo que atende ao mercado, mais especificamente ao grande capital. 

A saída do professor Paul Singer da Senaes e sua substituição pelo policial civil aposentado Natalino Oldakoski (uma pessoa desconhecida e sem história prévia com o movimento da economia solidária), feita sem nenhuma consulta ao movimento, causou descontentamento por ferir uns dos mais fortes princípios da economia solidária – o da autogestão. Vale lembrar que no governo do Partido dos Trabalhadores, a construção das políticas públicas para a economia solidária vinha sendo feita por meio de um modelo autogestionário – que preza pela construção coletiva das ações – com representação de vários atores da economia solidária.

A esperança que resta é de que, uma vez que a economia solidária começou motivada pela situação de desespero e total abandono do Estado a uma parcela da população, talvez este cenário sombrio dê força ao movimento para se rearticular e lutar pela defesa deste modelo alternativo de organização do processo de trabalho, bem como pelas políticas sociais conquistadas na Constituição de 1988 e nos governos Lula e Dilma. (Ednalva Felix das Neves, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…