Pular para o conteúdo principal

Vendas do comércio caem. O Brasil Novo afunda ainda mais


O desastre que representa para o país, em todos os aspectos, o governo golpista, se mostra ainda mas contundente a cada divulgação de um índice econômico.

Hoje é a vez do comércio varejista, que, segundo o IBGE, registrou, em julho, queda de 0,3% no volume, depois de avanço de 0,3% em junho. Os comerciantes têm compensado a diminuição nas vendas com aumento de preços: a receita nominal subiu 0,7% em julho, a quarta taxa positiva consecutiva. As duas comparações são em relação ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais. 

No confronto com julho de 2015, na série sem ajuste sazonal, o total do varejo nacional apontou, em termos de volume de vendas, queda de 5,3%, acumulando redução de 6,7% nos sete primeiros meses deste ano. A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos 12 meses, com recuo de 6,8% em julho, assinalou a perda mais intensa dessa série histórica (iniciada em 2001) para essa comparação. Para esses mesmos indicadores, a receita nominal de vendas prossegue sinalizando com variações positivas: 6,7% frente a julho de 2015, 4,9% para o acumulado no ano, e 3,7% no acumulado dos últimos 12 meses.

O comércio varejista ampliado (varejo e mais as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção) registrou variação de -0,5% em relação ao mês imediatamente anterior (série com ajuste) para o volume de vendas, enquanto a receita nominal, com taxa de 0,7%, permanece no campo positivo pelo terceiro mês consecutivo. Em relação a julho de 2015, o volume de vendas registrou queda de 10,2%. Para as taxas acumuladas, os resultados foram de -9,4% no ano e de -10,3% nos últimos 12 meses.

Os números negativos do comércio ligaram o sinal vermelho nos puxa-sacos dos golpista, os mesmos que, durante muito tempo fizeram campanha contra o governo de Dila Rousseff.

O presidente da SPC Brasil, Roque Pellizzaro, por exemplo, não perdeu tempo na tentativa de suavizar os dados e se mostrar otimista em relação a um futuro que, qualquer pessoa com dois neurônios sabe, será desastroso ao Brasil.

Suas declarações, via release, são patéticas e mostram o quanto o coral dos "homens de bem" está desafinado: 

“Enquanto alguns dados já mostram a saída do pior momento da recessão econômica, com especial destaque para confiança e,em menor medida a produção industrial, outros ficarão patinando em um patamar neutro até que sejam puxados pela volta do emprego e da renda. Este é o caso das vendas no varejo. Nesta atual fase de estabilização da economia são esperados comportamentos erráticos de algumas variáveis, em especial daquelas que demoram mais a reagir. No entanto, se novas pioras forem confirmadas nos próximos meses isso poderá implicar perspectiva de recuperação mais lenta do que esperado.” (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…