Pular para o conteúdo principal

Um milagre: construção civil volta a bombar!


Está certo que agora no Brasil Novo, tudo corre às mil maravilhas, está todo mundo feliz, e a economia, que chafurdava no fundo do poço, se recupera com a velocidade da luz: bastou o Dr. Mesóclise estalar os dedos e a confiança - ah, a confiança! - do empresário reapareceu como num passe de mágica.

Tudo bem, mas o pessoal não precisa exagerar, como esse da tal da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), que distribuiu um release que é um primor de otimismo, desde o seu título até as afirmações hiperrealistas de seu presidente.

O texto é uma maravilha e merece toda a atenção.

Afinal, é só uma amostra do que a imprensa toda, que vive essencialmente de press releases, vai produzir daqui para a frente - e pra frente, Brasil!

A íntegra da pérola é a seguinte:

Varejo de material de construção cresceu 8% no último quadrimestre

Nos meses de maio a agosto de 2016, o varejo de material de construção teve um desempenho 8% superior ao registrado no mesmo período de 2015, segundo pesquisa mensal da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construcão). Realizado pelo Instituto de Pesquisas da Anamaco, com o apoio da Abrafati, Instituto Crisotila Brasil, Anfacer e Siamfesp, o estudo ouviu 530 lojistas de todas as regiões do país entre os dias 24 a 30 de agosto. A margem de erro é de 4,3%.

De acordo com a pesquisa, em agosto o setor teve retração de 9%, índice que foi 2% superior ao registrado no mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano, o setor apresenta queda de 5% com relação ao mesmo período de 2015 e, no acumulado dos últimos 12 meses, a queda é de 7%. “O mês de agosto é tradicionalmente um mês ruim, mas esse ano sofremos com os impactos dos Jogos Olímpicos, que praticamente pararam o país durante quase três semanas. Menos consumidores foram às lojas e, consequentemente, nossos números caíram. Ainda assim, vínhamos de três meses consecutivos de crescimento e com um indicativo muito forte de retomadas de obras em todo o país”, explica o presidente da Anamaco, Cláudio Conz.

Segundo ele, a expectativa da entidade é que o varejo de material de construção encerre o ano com um crescimento de 3 a 5% sobre o faturamento de R$ 115 bilhões registrado em 2015. “Continuamos otimistas, sobretudo porque a questão política foi encaminhada, independente de seu resultado, e isso significa que o país está pronto para continuar buscando sua retomada. Nós estamos trabalhando para que medidas de incentivo ao nosso setor sejam aprovadas, incluindo acesso ao crédito e condições para que possamos criar novas vagas de emprego, que devem ser impactadas positivamente com a reforma trabalhista já anunciada pelo governo”.

Cerca de 54% lojistas que participaram da pesquisa demonstraram otimismo com as ações do Governo nos próximos 12 meses e 64% dos respondentes acreditam que recuperarão parte das vendas já no mês de setembro.

A pesquisa da Anamaco também indicou que a região Sul foi a que mais se destacou no mês de agosto, com crescimento de 8% nas vendas. O Centro-Oeste registrou desempenho estável no mês, enquanto Norte e Nordeste tiveram queda de 6% e 9%, respectivamente.

No levantamento por categorias, as vendas de telhas de fibrocimento ficaram estáveis no mês, enquanto revestimentos cerâmicos tiveram retração de 5%, louças sanitárias queda de 6%, e tintas registraram desempenho de -9%.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…