Pular para o conteúdo principal

Um golpe para destruir um país


O golpe de 2016 é muito mais sério do que muitos imaginam, com repercussões de incomensurável gravidade, pois, afinal, ele tem como objetivo destruir tudo o que se fez para trazer o Brasil à civilização, depois que ela foi sepultada pelo golpe de 1964.

Os golpistas não querem apenas o poder pelo poder, ou o poder político, ou o poder econômico, ou o poder para assaltar os cofres públicos. 

Eles querem mais  - e vão avançar implacavelmente nessa direção.

Eles querem reduzir a pó o esboço de Estado de bem-estar social que os trabalhistas tentaram erguer desde o primeiro governo Lula.

No Brasil deles não cabe a proteção social, a equidade entre as relações trabalhistas, a atuação do Estado para a correção e controle dos desmandos do "mercado", a regulação da atuações dos diversos setores da economia, impedindo a formação de monopólios e cartéis.

No Brasil sonhado por eles haverá uma clara divisão de classes, que pode ser, sinteticamente, reduzida ao binômio Casa Grande - Senzala.

O Brasil deles comportará um mercado consumidor de 20 milhões a 30 milhões de pessoas, pouco mais de 10% da população - como era antes de 2003.

No Brasil deles os direitos das minorias serão esmagados, a cidadania será reduzida a uma noção abstrata para a quase totalidade dos habitantes, o controle da mídia será ainda mais fortalecido pelo cartel que a domina, as seitas religiosas evangélicas aumentarão seu domínio das mentes dos pobres coitados - e a incipiente democracia que o país viveu nos últimos anos será cada vez mais uma lembrança

A articulação da oligarquia para executar o golpe foi um processo lento, caro, e muito bem executado. 

A primeira fase, essa de consolidação da ditadura, está quase concluída.

A segunda fase, de exterminar as principais lideranças políticas e sociais do campo progressista, e até mesmo o seu principal partido, o PT, ainda merece mais empenho.

Não há, pelo menos agora, no horizonte, nada que indique a reversão rápida desse quadro.

E, quando um dia isso ocorrer - se ocorrer -, o trabalho para recuperar todas as ruínas do país será longo, muito longo. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Faltou um detalhe dessa presepada golpista. Se o Paraguai resolver invadir o Brasil, ou anexar parte de nosso território, é facil! facil! Nossos bravos governantes se preocupam apenas com seus salarios, rendimentos etc..e a felicidade de nossos banqueiros. O resto que se dane.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…