Pular para o conteúdo principal

Três linhas até nove toques


Certa vez, quando trabalhava como redator da primeira página de um tradicional jornal paulistano conhecido por Estadão, tive uma missão impossível.

Naquele tempo, na era pré-computador, escrevia-se, para quem não sabe, em folhas de papel chamadas laudas. Os textos eram datilografados na largura de 70 toques ou caracteres da máquina de escrever. Os títulos tinham medidas diversas, de acordo com a largura em que seriam publicados e com o seu tamanho, “corpo”, no jargão profissional.

Assim, quanto mais importante a chamada da primeira página, maior o corpo e a largura do título, medido em “colunas”. Os textos eram pequenos – só a manchete passava das dez linhas, ao que me lembre.

Pois bem, certo dia, o fechamento já correndo, tratei de fazer uma chamada que se referia ao então governador Orestes Quércia. Estava em uma coluna, título em corpo 30. Fiz o texto – apaguei da memória sobre o que se tratava –  e olhei no diagrama (o desenho da página a ser impressa) para fazer o título. Eram três linhas em uma coluna, no corpo 30. O diagramador havia anotado assim: 3 até 9. Ou seja, 3 linhas até 9 toques. 

Comecei a tentar, mas havia algo que barrava todos os meus esforços para apresentar um trabalho nos padrões de qualidade do, então, austero e exigente, Estadão: a palavra governador não cabia em uma coluna, corpo 30.

Mas por que eu tinha de escrever “governador” e não “Orestes” ou “Quércia”, que se encaixavam perfeitamente no título, há de perguntar você que me lê? 

Simples, o Estadão não admitia que o nome do político saísse em suas páginas, uma prática que teve início, que eu saiba, com outro governador, Adhemar de Barros, que o jornal grafava “A. de Barros”. Outro banido da história – pelo menos da sua – pelo jornal foi Leonel Brizola, referido em textos e em títulos simplesmente como “caudilho”.

Bem, de volta a Quércia. Claro que passei o pepino ao meu chefe. E ele, homem prático, resolveu o problema da melhor maneira – dentro das circunstâncias. Mudou a diagramação e a chamada passou a ter título em duas colunas. Pelo menos assim a palavra governador” cabia.

Eram assim as coisas no Estadão antigamente. Como não trabalho lá há algum tempo, não sei mais como são hoje. Já devem ter liberado o nome de Quércia – afinal, hoje ele tem pouquissima importância no jogo do poder. Brizola está morto – e o antológico cavalheirismo da família Mesquita certamente perdoa os mortos. Quanto a Adhemar de Barros, nem os livros de história se lembram mais dele.

Nesta era da informática, em que as informações correm muito mais rápidas que no tempo em que se ouvia o matraquear dos teletipos, esse tipo de atitude é coisa de museu. Hoje, as armas dos poderosos para combater os inimigos são outras e devastadoras.

Mas a receita é a mesma, permanece imutável. Começa com uma boa dose de preconceito, a seguir junta-se o ódio centenário das classes altas pelas baixas, acrescenta-se uma pitada de racismo, tempera-se com a ignorância, mistura-se bem com porções de calúnia, injúria e difamação.

Não tem erro. O sujeito está condenado a vagar no limbo como um pária aos olhos desses homens e mulheres de bem que determinam quem é digno e quem é indigno de viver em sua ilustre companhia.

Mudam os costumes, permanece o hábito. (Carlos Motta)

(Publicado originalmente no blog Crônicas do Motta em 15/10/2008)

Comentários

  1. Motta, me lembrei do título de duas linhas de sete toques que precisava dizer que a Sunab não funcionava no plano Cruzado. É o redator gênio encontrou a seguinte solução:

    Uma vez
    sunab...

    Abraços
    Cley

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…