Pular para o conteúdo principal

PM paulista age antes de black blocs, como agente provocador


A Polícia Militar é um dejeto da ditadura. 

Age escancaradamente em benefício dos endinheirados, persegue a população pobre, os movimentos sociais, os jovens pretos, tudo que, mesmo remotamente conteste o status quo.

Atua, na verdade, como uma guarda pretoriana dos donos do poder - o político também, mas essencialmente o econômico.

É formada por brutamontes ignorantes e preconceituosos, condicionados a usar a violência antes de mais nada, e que não respeitam as leis e não dão nenhum valor aos direitos humanos ou à própria dignidade das pessoas.

Eu havia acabado de ler algumas notas sobre a atuação desses selvagens tão logo a gigantesca manifestação contra o governo golpista havia terminado em São Paulo.

Não resisti a lançar uma pergunta, ou melhor, uma afirmação, no Facebook:

"Quer dizer que a gloriosa PM acabou fazendo hoje em São Paulo aquilo que faz com mais eficiência, que é ser covarde?"

A jornalista Samantha Maia, por quem boto a mão no fogo, não só respondeu à minha pergunta, como deu detalhes de como agiram os nossos corajosos guardiões da lei e da ordem, que, neste momento dramático da vida nacional estão atuando como agentes semeadores do caos:

Motta, o ato já tinha sido encerrado, mas tinha muita gente concentrada no Largo da Batata, aos poucos estavam indo embora de metrô (cuja catraca não estava liberada como na manifestação dos verde-amarelos), outros estavam nos bares, ou mesmo sentados no chão.

Eu vi uma fila de PMs passar pelo meio da multidão (aparentemente chamada pelo metrô, pelo que li nos sites) e não demorou muito para que ouvíssemos a primeira bomba. 

Não tinha nada sendo quebrado até então. 

Apenas um monte de gente correndo que nem baratas tontas para fugir do ataque da PM. Tinha muita gente de idade e crianças. Não vi notícias sobre como ficaram as pessoas. Eu consegui achar uma rota de fuga, pois a PM cercou várias ruas, e só depois disso ouvi dizer que os black blocs quebraram coisas. 

Ou seja, bem antes de algo ser quebrado, a gente já estava fugindo da polícia. 

Horrível. 

E no caminho encontramos uma mulher com um tiro de borracha na perna. Ela estava se despedindo de um amigo na entrada do metrô quando foi acertada.

(Carlos Motta - Foto: Eduardo Figueiredo/Mídia NINJA)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…