sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Pedidos de falência não param de subir no Brasil Novo


Quanto mais indicadores econômicos são divulgados, mais se firma a impressão de que o Brasil Novo do Dr. Mesóclise e seu bando não está respondendo aos apelos de extremado otimismo, felicidade geral, ordem e progresso feitos reiteradamente por eles e amplificados pela cúmplice imprensa.

O release divulgado pela empresa Boa Vista SCPC acrescenta mais alguns números pessimistas, desta vez sobre o número de falências, que já subiram 20,5% neste ano.

A íntegra é a seguinte:

Pedidos de falência registram alta de 20,5%
no acumulado do ano, segundo Boa Vista SCPC

Os pedidos de falência registraram alta de 20,5% no acumulado de 2016 em relação ao mesmo período de 2015, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em agosto, o número de pedidos de falências recuou 3,9% na comparação mensal e aumentou 4,3% na comparação com agosto de 2015.

No acumulado do ano, as falências decretadas subiram 10,7% em relação ao período equivalente do ano anterior. Na comparação interanual aumentaram 31,2% e recuaram 4,7% ante o mês anterior.

Os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas, no acumulado do ano, registraram alta de 70,4% e 71,0%, respectivamente.  A tabela resume os dados.



Mesmo com relativa melhora das expectativas macroeconômicas, os indicadores de solvência continuam maiores do que os registrados no ano anterior e, apesar da leve desaceleração apresentada nesta aferição, essa tendência não deve se reverter neste ano.

Metodologia

O indicador de falências e recuperações judiciais é construído com base na apuração dos dados mensais registradas na base de dados da Boa Vista SCPC, oriundas dos fóruns, varas de falências e dos Diários Oficiais e da Justiça dos estados.

A série histórica deste indicador se inicia em 2006 e está disponível em:

 http://www.boavistaservicos.com.br/economia/falencias-e-recuperacoes-judiciais

Nenhum comentário:

Postar um comentário