Pular para o conteúdo principal

Patrões querem diminuir salários dos jornalistas

Não sei quanto aos outros, mas os jornalistas de São Paulo estão sentindo na carne o que os espera no Brasil Novo. 

A data-base da categoria é 1º de junho e a quinta rodada de negociação salarial entre patrões e empregados de jornais e revistas da capital (a negociação com o interior é separada) terminou sem avanço em relação ao reajuste: os representantes patronais mantiveram a proposta de reajuste zero e continuam irredutíveis em relação a vários itens da convenção.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo informou os representantes das empresas sobre a realização de assembleias com a categoria para consultá-los sobre a proposta. A conclusão da consulta aos jornalistas é que reajuste zero é inaceitável. “A nossa proposta é a proposta do trabalhador que não pode perder 10% do seu salário real sem a recomposição da inflação. Agora a alternativa tem que vir das empresas”, argumentou o secretário-geral do sindicato, André Freire.

Os patrões não apresentaram nenhuma proposta de reajuste econômico na mesa de negociação, com a justificativa de que as empresas de comunicação estão em situação crítica. Segundo os representantes, algumas empresas correm o risco de não conseguir honrar todos os seus compromissos nos próximos meses.

Para o sindicato, o Sindjore ignora o crescimento da publicidade na internet, sendo que parte dos grupos de comunicação é de verdadeiros conglomerados que detêm mídia impressa e digital. “Reajuste salarial não é benefício, é ajuste de custo. Uma proposta de 0% de aumento é uma proposta de redução do salário real do jornalista, que hoje vale somente 91% do que valia no mesmo período do ano passado”, afirmou o presidente do SJSP, Paulo Zocchi.

A pauta aprovada pela categoria, entregue no início de maio, reivindica a reposição da inflação de 9,82% (INPC) acrescida de 3% de aumento real nos salários e benefícios econômicos e sociais.

Nova rodada de negociação está marcada para o dia 6 de setembro, terça-feira. Até o momento, foi assinada a garantia da data-base em 1º de junho. Assim, quando o acordo for fechado, todas as cláusulas valerão de forma retroativa a partir desta data. 

Quanto aos jornalistas do interior do Estado, o fará assembleias até dia 15 de setembro para consultar a categoria sobre os rumos da Campanha Salarial. A decisão foi tomada pela direção do sindicato devido à intransigência dos patrões, que mantêm o impasse nas negociações. 

Na quinta rodada, os empresários repetiram a proposta apresentada na terceira rodada: 3% de reajuste provisório retroativo a junho e  5,83%  em maio de 2017, com reajustes incidindo apenas sobre o salário, sem contemplar os benefícios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…