Pular para o conteúdo principal

O veterano repórter e a brincadeira que acabou mal


Estávamos batendo papo, num raro momento de descanso, rindo, contando piadas, descontraindo.

Em certo momento, o veterano repórter fez um comentário sobre uma chamada [texto que resume a notícia e indica em que página ela está na íntegra] na capa de uma matéria sem importância, mas cujo autor era o "enfant terrible" da redação, um sabe-tudo que se metia em todos os assuntos e em todos demonstrava a sua ignorância - e a sua egolatria.

Esse veterano repórter, que havia começado na empresa como office boy, e graças ao seu esforço e talento conseguiu se destacar numa equipe de grandes profissionais, estava escrevendo uma série de reportagens sobre craques futebolísticos do passado, o que eles estavam fazendo da vida, um misto de passado e presente. Um bom trabalho.

Uma das reportagens ocupava uma página inteira da edição daquele dia do caderno de esportes do Estadão. 

Comparamos as duas matérias, a do "enfant terrible" e a do veterano repórter, e ficamos sem entender o motivo pelo qual o minucioso perfil do antigo astro do esporte mais popular do mundo não havia merecido sequer um titulozinho na primeira página do jornal. 

A resposta veio, em tom de blague, da boca do próprio veterano repórter:

- Eu deveria ter assinado a matéria com o nome do ... - se referindo ao sabe-tudo que emplacava na capa qualquer besteira que escrevia.

Rimos.

Até que percebemos que atrás de nós passava o dito cujo, que nos cumprimentou secamente e seguiu adiante.

No outro dia fui chamado à sala do redator-chefe:

- Que história é essa do ... ficar falando mal do ..?

Expliquei com detalhes o que havia se passado e que ninguém havia criticado ninguém, que nós estávamos apenas batendo papo, que tudo tinha sido apenas uma brincadeira sem maiores consequências.

Mas não fui eloquente o bastante, já que, dali em diante, o veterano repórter ficou, como se diz, "marcado" - tudo o que ele fazia era criticado pelo chefe de redação, merecia um reparo, era objeto de uma ameaça.

Esperava que, com o tempo, o incidente fosse esquecido e tudo voltasse ao normal. 

Meses se passaram, até que um dia fui novamente chamado pelo redator-chefe. 

E daquela vez não houve jeito:

- Você vai ter de demitir alguém, vai ter cortes no jornal todo. Mande embora o ...

Assim, a seco, sem espaço para contestação.

Dei a triste notícia ao veterano repórter, que reagiu como esperava, com um misto de surpresa, decepção e indignação.

Quando achava que esse lamentável episódio havia finalmente se encerrado, o telefone tocou. Atendi, era a secretária do diretor de redação, que passou a ligação a ele. Em poucos segundos de um papo furado, ele soltou uma das frases mais desconcertantes que já ouvi na vida:

- Que coisa chata essa demissão do ...

Pilatos não teria dito algo menos comprometedor.

O papo furado prosseguiu até que não tínhamos mais nada a conversar.

À noite, em casa, com a adrenalina em níveis normais, fiquei pensando em como bobagens tais quais o cinismo, a hipocrisia, a amizade, a solidariedade e a vilania são capazes de marcar indelevelmente o caráter dos homens. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…