Pular para o conteúdo principal

O jornalismo econômico, uma ficção produzida pelos bancos


O jornalismo econômico ganhou destaque e, de certa forma, se profissionalizou no fim dos anos 80 do século passado. 

O Estadão, por exemplo, até então publicava as notícias econômicas depois da seção de turfe.

A claudicante situação da economia do país, a insegurança da classe média em relação ao que fazer com as suas ralas economias, as patéticas e frustradas tentativas dos governos em achar uma situação mágica que resolvesse de vez os problemas, editando inúmeros "pacotes", tudo isso levou os jornalões a engordar suas editorias econômicas, lançar produtos e contratar muitos profissionais que se especializaram na área.

Naquela época, as fontes de informação ainda eram variadas. 

Os empresários, por exemplo, exerciam um forte lobby: as reuniões de conjuntura da Fiesp, às segundas-feiras, mereciam cobertura obrigatória.

Com o passar dos anos, porém, o setor financeiro se expandiu de forma avassaladora e uma de suas primeiras providências para se consolidar como o mais importante e influente do país foi conquistar a imprensa para as suas demandas.

Bancos, corretoras, consultorias, economistas autônomos, todos eles passaram a difundir, com extrema competência, informações sobre as virtudes do "mercado", a importância da bolsa de valores, a maravilha dos diversos produtos bancários, e, no lado oposto, sobre a extemporaneidade das teses com viés social-democrata, e, mais recentemente, sobre como as medidas dos governos Lula e Dilma eram prejudiciais ao país.

Nos anos em que trabalhei no "Valor Econômico" pude observar mais atentamente a força e a influência do setor financeiro na linha editorial do jornal.

Bancos, corretoras e consultorias ofereciam, com uma regularidade impressionantes, sugestões de pauta e até mesmo "estudos" para publicação exclusiva, repercussões imediatas de medidas governamentais, além de ter, à disposição dos repórteres, 24 horas por dia, sete dias por semana, "especialistas" para comentar qualquer assunto da área econômica.

Ficou extremamente fácil trabalhar na área: o repórter recebia, via e-mail, um "paper" sobre um tema qualquer, cheio de números e gráficos para dar a ele um ar científico, com exclusividade. Uma conversa de alguns minutos com o autor do "estudo" completava a matéria.

A influência do setor financeiro no "Valor" era tão grande que, certa ocasião, numa reunião de pauta, a diretora de redação pediu que também se ouvisse, na cobertura em geral, empresários e membros da Academia.

Não foram poucas vezes em que, numa mesma página do jornal, o mesmo "especialista", ligado ao setor financeiro, aparecesse com seus achismos em duas ou três matérias sobre assuntos diferentes.

O lançamento do "Valor Pro", serviço de informações online para o mercado financeiro, há alguns anos, marcou definitivamente a entrega do noticiário do jornal aos interesses dos banqueiros.

O "Valor", porém, não foi o único jornal a cair nos braços do setor não produtivo nacional. 

Todos os outros, ao menos em sua seção econômica, estão, indisfarçavelmente, a favor dos banqueiros, defendendo compulsivamente medidas para aumentar ainda mais seus gordíssimos lucros e ampliar sua arrasadora influência na vida política e social da nação.

(Carlos Motta)

Comentários

  1. É o Brasil, de potência mundial a covil de bandidos. Onde estão nossos guardiães da pátria? Protegendo tucanos ladrões e seus próprios salários?

    ResponderExcluir
  2. Numa boa, se passar um bisturi nas contas de certos editores, vão encontrar coisas bem bisonhas, são coisas deslavadas a céu aberto em reuniões de 'pautas', uma vergonha, diria aquele misogino da Band

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…