Pular para o conteúdo principal

O dono de jornal que adorava os idealistas


O pior patrão para quem trabalhei é hoje nome de um "complexo viário" em Jundiaí.

O seu jornal sobrevive até hoje na cidade em que passei praticamente metade dos meus 62 anos. 

Em três ocasiões comi o pão que o diabo amassou naquele lugar.

Foi lá onde aprendi boa parte dos macetes da profissão de jornalista.

Foi lá, também, que conheci aquele que, para mim, se tornou o exemplo do empresário brasileiro, um tipo que não conseguiu ir além da pré-revolução industrial.

De certa forma, esse personagem inesquecível representa, nas minhas lembranças, o período da ditadura militar, com toda a sua carga negativa, todo o seu autoritarismo, suas mentiras e seu desprezo pelos valores que dignificam o ser humano.

Uma frase dita por ele numa conversa de horas em seu escritório, onde fui tratar da possibilidade de ele aumentar o salário de não me lembro mais quem, ficou esses anos todos guardada em meu cérebro, como representativa de uma personalidade cínica, materialista e mesquinha:

- Adoro os idealistas: eles trabalham praticamente de graça.

Era verdade: a gente trabalhava praticamente de graça, porque gostava do que fazia, porque, na ingenuidade da juventude, achávamos que o jornalismo era algo especial, algo que ajudava a sociedade, que contribuía para fazer com que a vida das pessoas fosse melhor.

Pensávamos, com os hormônios da pós-adolescência fervendo, que cada edição que publicávamos era um capítulo a mais de uma crônica interminável sobre uma comunidade imperfeita, desigual e injusta, mas que amávamos, porque fazia parte de nós.

Tantos anos e várias redações de jornal depois, algumas imensas e impessoais, outras minúsculas, mas nem por isso desimportantes, constato, pesaroso, que praticamente tudo mudou para pior nesse árduo ofício de levar a público as informações necessárias para a manutenção de um corpo social sadio.

Os patrões ainda vivem como se estivessem nos primórdios do século XIX: ignoram os mais básicos direitos dos assalariados e usam suas empresas para difundir um ideário de repugnante reacionarismo.

Já os jornalistas abandonaram de vez qualquer pensamento que os distancie da comodidade de um salário que pague suas contas e os permita levar uma vida de classe média, de pequenos e insípidos burgueses.

Nos dias de hoje a frase do dono daquele jornal de Jundiaí não tem mais sentido, pois não há mais idealistas na imprensa.

Isso não impede, porém, que os jornalistas continuem trabalhando praticamente de graça: afinal, a mera sobrevivência se tornou uma difícil arte, que exige um tanto de dissimulação e hipocrisia.

Novos tempos, novos costumes.

(Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…