Pular para o conteúdo principal

Nunca acredite na palavra de um jornalista que não tem palavra


A convocação foi geral: todos os jornalistas deveriam comparecer ao auditório no dia tal, às tantas horas. 

Ordem do diretor de redação, o Abominável.

Peões obedientes, fomos.

O auditório estava lotado, no mínimo umas 300 pessoas.

Esperamos alguns minutos e, finalmente, ele chegou.

Com aquela sua voz lenta e pastosa começou a falar.

Primeiro, os agradecimentos de praxe, "obrigado por vocês terem vindo e blá-blá-blá".

Em seguida, os autoelogios, uma minibiografia profissional na qual destacava o período em que morou nos Estados Unidos, seus anos de serviço ao Banco Mundial, o "risco de vida" que correu ao acompanhar as tropas americanas na invasão da minúscula ilha de Granada, e mais blá-blá-blá.

Depois, para surpresa geral, enumerou as vantagens de um profissional mudar de emprego.

Trememos.

E pensamos: será que vem mais um passaralho [apelido carinhoso que os jornalistas dão às demissões] por aí?

Mas na sequência de sua já longa e entediante alocução, o Abominável finalmente chegou ao ponto que o interessava:

- Por fim quero desmentir esse boato que está correndo na redação de que vou trazer para trabalhar no Estadão a ... , minha namorada, que está na Gazeta Mercantil. É mentira. 

Dito isso, deu por encerrado o seu show.

Voltamos ao trabalho, os dias se passaram na rotina habitual, até que aquilo que era apenas um boato se confirmou: a namorada havia sido contratada para trabalhar como repórter especial, um dos cargos mais cobiçados no Estadão daquela época.

Para nós ficou uma lição: nunca acredite na palavra de quem não tem palavra.

(Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…