Pular para o conteúdo principal

Manchetes nada exemplares


Os jornais usam as notícias com interesses próprios desde que existem. Alguns disfarçam, outros nem se dão a esse trabalho. Como, em 101% dos casos, as grandes empresas jornalísticas do país são de famílias que fazem parte da mais fina flor de nossa elite, nada mais natural que defendam, com tudo o que podem, a sua classe.

De tempos em tempos, chegam a extrapolar nesse zelo. Este período do governo Lula é um bom exemplo. Época de eleição é outra em que a artilharia fica mais pesada que o normal. E as manchetes se superam.

Em 1986, o milionário Antonio Ermírio de Moraes alugou o PTB e resolveu ser candidato ao governo do Estado de São Paulo. Os jornalões estenderam tapetes vermelhos. Ermírio foi se entusiasmando à medida em que as pesquisas eleitorais – sempre elas! – mostravam que ele, não só era um candidato viável, mas tinha chances reais de vitória.

Até que recebeu o apoio de alguns dissidentes do PMDB que não engoliam o candidato do partido, Orestes Quércia. O mais notório entre eles era Fernando Henrique Cardoso. E, por incrível que pareça, a partir daí começou a virada. Quércia subia, Ermírio caía.

O Estadão, entusiasmado defensor do “capitão da indústria”que aparecia em público com um terno mal ajambrado e caspa nos ombros, um Jânio Quadros inarticulado, resolveu, como última e desesperada cartada, dar sua própria interpretação a uma das derradeiras pesquisas, que indicava vitória de lavada de Quércia.

Foi aí que a sua primeira página, sempre louvada como exemplar, abriu a manchete “Indecisos podem dar vitória a Ermírio”.

Para infelicidade de toda a sua diretoria, os indecisos não fizeram o que tinham de fazer e Quércia faturou a eleição. Ermírio voltou aos seus inúmeros negócios e até hoje lamenta a sova.

Três anos depois, o Brasil assistia à sua primeira eleição direta para a presidência. Os candidatos davam para formar um time inteiro de futebol – titulares e banco de reservas.

Entre eles estava o pouco conhecido Guilherme Afif Domingos com seu eterno discurso sobre a necessidade de um Estado mínimo e redução de impostos (para os ricos, claro). O Estadão embarcou na causa, talvez influenciado pelo bordão do candidato: “Juntos chegaremos lá!”

O problema é que a disputa foi se reduzindo aos nomes de Collor, Lula e Brizola. Afif não saía do pelotão dos nanicos.

Até que uma pesquisa mostrou uma leve, pequena, quase imperceptível mexida nos números. O jornal aproveitou e brindou os seus leitores com a manchete “Afif cresce e chega a 9%”.

Como se sabe, Afif cresceu tanto, mas tanto, que acabou em sexto lugar.

(Carlos Motta)

(Publicado originalmente no blog Crônicas do Motta em 13/11/2008)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…