Pular para o conteúdo principal

Lula, vidraças e banqueiros. Ou o jornalismo sem caráter


E eis que me lembro de três historinhas que estavam guardadas entre as minhas cada vez mais raras "pequenas células cinzentas", como gosta de dizer o célebre inspetor Poirot, passadas na redação do falecido Estadão - jornal no qual trabalhei 18 anos, em duas oportunidades.

Não sei bem porque elas surgiram na memória, assim de repente, mas tenho a impressão de que se conectam com o que o a imprensa se transformou nos dias de hoje.

Ou seja: a canalhice, a sabujice, o puxa-saquismo descarado, a hipocrisia, o carreirismo, enfim, todas as essas que definem o mau caráter, não são exclusividades destes tempos sombrios.

Divirtam-se.

Lula lá

Muito tempo atrás, em plena campanha eleitoral para a presidência, com as atenções do país divididas entre Collor e Lula, o diretor de redação do finado Estadão interrompeu a reunião de pauta para dar um recado curto e grosso:

- Nossa cobertura está muito pró-Lula. Vamos acabar com isso.

Dito e feito, claro.

Hoje, se não dá mais ordens a editores, ele se contenta em exercer o rentável ofício de difamador dos petistas em geral e de Lula em particular.

Venceu na vida.

----------------------------------------------------------

Vidraças

Piada que ouvi, certa vez, há séculos, numa reunião de pauta do Estadão, contada pelo editor-chefe (Lula havia acabado de assumir a Presidência):

- Sabe o que a Benedita da Silva disse para a dona Marisa na visita que fez a ela e ao Lula no Palácio do Planalto? "Nossa, Marisa, quanta vidraça tem aqui para você limpar!"

Meu acesso de tosse nervosa foi completamente abafado pelo riso dos colegas.

---------------------------------------------------------

Os banqueiros também amam

No tempo em que se amarrava cachorro com linguiça, ou quando o Estadão ainda era um jornal, conversando com um repórter da área financeira, escutei dele a seguinte pérola:

- Mas você precisa ver o lado do banqueiro!

Nem preciso dizer que o rapaz teve um carreira muito bem sucedida. 

(Carlos Motta)

Leia também:

O puxa-saco que deu de presente um chapéu e uma cabeça aos seus patrões

O dia em que Gorbachev foi ao Estadão fazer propaganda da Folha


O ditador tem duros olhos azuis


Os talheres e o voto consciente

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…