terça-feira, 6 de setembro de 2016

Lula, vidraças e banqueiros. Ou o jornalismo sem caráter


E eis que me lembro de três historinhas que estavam guardadas entre as minhas cada vez mais raras "pequenas células cinzentas", como gosta de dizer o célebre inspetor Poirot, passadas na redação do falecido Estadão - jornal no qual trabalhei 18 anos, em duas oportunidades.

Não sei bem porque elas surgiram na memória, assim de repente, mas tenho a impressão de que se conectam com o que o a imprensa se transformou nos dias de hoje.

Ou seja: a canalhice, a sabujice, o puxa-saquismo descarado, a hipocrisia, o carreirismo, enfim, todas as essas que definem o mau caráter, não são exclusividades destes tempos sombrios.

Divirtam-se.

Lula lá

Muito tempo atrás, em plena campanha eleitoral para a presidência, com as atenções do país divididas entre Collor e Lula, o diretor de redação do finado Estadão interrompeu a reunião de pauta para dar um recado curto e grosso:

- Nossa cobertura está muito pró-Lula. Vamos acabar com isso.

Dito e feito, claro.

Hoje, se não dá mais ordens a editores, ele se contenta em exercer o rentável ofício de difamador dos petistas em geral e de Lula em particular.

Venceu na vida.

----------------------------------------------------------

Vidraças

Piada que ouvi, certa vez, há séculos, numa reunião de pauta do Estadão, contada pelo editor-chefe (Lula havia acabado de assumir a Presidência):

- Sabe o que a Benedita da Silva disse para a dona Marisa na visita que fez a ela e ao Lula no Palácio do Planalto? "Nossa, Marisa, quanta vidraça tem aqui para você limpar!"

Meu acesso de tosse nervosa foi completamente abafado pelo riso dos colegas.

---------------------------------------------------------

Os banqueiros também amam

No tempo em que se amarrava cachorro com linguiça, ou quando o Estadão ainda era um jornal, conversando com um repórter da área financeira, escutei dele a seguinte pérola:

- Mas você precisa ver o lado do banqueiro!

Nem preciso dizer que o rapaz teve um carreira muito bem sucedida. 

(Carlos Motta)

Leia também:

O puxa-saco que deu de presente um chapéu e uma cabeça aos seus patrões

O dia em que Gorbachev foi ao Estadão fazer propaganda da Folha


O ditador tem duros olhos azuis


Os talheres e o voto consciente

Um comentário: