Pular para o conteúdo principal

E os números das pesquisas vão se ajustando...


Dá até preguiça de escrever isso, de tanto que o negócio é manjado, mas é sempre bom lembrar: em toda eleição os institutos de pesquisa (sic) ajustam seus números nos últimos dias para que, abertas as urnas, eles não fiquem desmoralizados.

No Brasil os dois institutos mais conhecidos são o Datafolha e o Ibope, que já cometeram erros crassos em eleições passadas.

O Datafolha faz parte do grupo Folha, que sempre teve o rabo preso com a oligarquia nacional.

O Ibope... bem o Ibope é do Montenegro, figurinha carimbada, bem conhecida nas altas esferas políticas e empresariais desta terra onde tudo que se planta, dá.

Esperar lisura ou honestidade dessas duas empresas é algo tão improvável quanto achar que o João Dólar sabe onde fica o Jardim Ângela.

Datafolha e Ibope fazem parte do poderoso exército montado para eliminar a esquerda da vida política nacional.

No caso da eleição paulistana, é só voltar ao passado para ver que os candidatos progressistas sempre tiveram um desempenho superior aos que o Datafolha e Ibope atribuem a eles neste momento.

O prefeito Fernando Haddad é odiado por parte da população - a mesma parcela que votava em Paulo Maluf, cerca de 30% do eleitorado.

Apesar disso, atribuir a ele minguados 8%, 9% das intenções de voto, como os dois institutos de pesquisa atestavam até outro dia, é uma afronta à inteligência.

Daqui até o fim da semana, como já está sendo feito, vão, milagrosamente, brotar mais votos para Haddad.

Se serão suficientes para levá-lo ao segundo turno contra o Maluf da vez, é outra história.

Se não conseguir, o trabalho do Datafolha e do Ibope de manipular os números terá sido bem sucedido - como foi em eleições passadas. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Manipular pesquisa é realmente coisa despudorada. Só comparável a mostrar a bunda na rua. Alias desde as famosas manifestações pre golpe, que a direita vem adotando esse procedimento. Estraaaanho! O que é que houve com direita macha? Ihhhhhh!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…