Pular para o conteúdo principal

Destruir o PT é um atentado à democracia. E uma imensa bobagem


Ninguém com ao menos dois neurônios pode, a esta altura do campeonato, desconhecer o fato de que os lava-jatos almejam apenas destruir o Partido dos Trabalhadores, prendendo ou arrebentando, nos sentidos figurativo e literal, suas principais lideranças, com total apoio da Procuradoria-Geral da República, imprensa - um cartel controlado por meia dúzia de famílias -, Judiciário, partidos políticos da direita e extrema-direita, e dos endinheirados.

É muita gente poderosa, um esquema gigantesco que se armou contra a maior agremiação política de esquerda do Brasil.

O desfecho dessa guera está próximo e tudo indica que o PT será mesmo banido do cenário político do país, seja por meio da cassação de seu registro, seja pela prisão de seus dirigentes, seja pela asfixia econômica - isso é o que menos importa.

O que importa é o fato de que uma democracia não pode existir sem que todos os matizes ideológicos estejam nela representados formalmente.

Não há país democrático no mundo onde a esquerda esteja ausente do debate político, social, econômico e eleitoral.

Alguém pode lembrar que nos Estados Unidos apenas dois partidos se alternam no poder, e nenhum deles carrega o mínimo traço de esquerdismo. 

Mesmo assim, de quando em quando aparece um Bernie Sanders por lá.

Os golpistas brasileiros, porém, parecem ignorar a realidade e a própria história.

É impossível riscar do mapa o pensamento de milhões de pessoas por meio de decreto. 

O PT e os outros partidos de esquerda do país  não nasceram por geração espontânea, mas há muitos anos, são frutos de uma árvore que brotou em terras brasileiras no início do século 20 e foi se desenvolvendo pari passu ao aprofundamento da desigualdade social, das injustiças e do fortalecimento da consciência de que o mundo civilizado não comporta mais tais ignomínias.

Destruir o PT e suas lideranças não é só um atentado à democracia.

É uma imensa bobagem - no dia seguinte do espoucar dos champanhes nas comemorações dos endinheirados uma nova agremiação de esquerda estará sendo formada, incorporando dezenas de anos de experiências e uma militância ainda mais consciente de quem são seus adversários e seus inimigos, do jogo que eles jogam, e da necessidade de levar o Brasil ao século 21 para que as próximas gerações possam desfrutar de uma vida com um mínimo de dignidade - e felicidade. (Carlos Motta) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…