Pular para o conteúdo principal

Apostas, cochilos e esquemas: a dura vida dos jornalistas


Dezoito anos de trabalho numa redação como a do Estadão de antigamente, com mais de 400 profissionais - número que, com o passar do tempo se reduziu drasticamente - foram mais que suficientes para observar a variedade de tipos que existem em nossa sociedade. Afinal, jornalistas não diferem das pessoas normais, embora muitos deles se achem superiores, integrantes de uma casta privilegiada.

A memória ainda guarda inúmeras histórias, vários episódios, que revelam o caráter dessa turma - para o bem e para o mal.

Os jornalistas de hoje, tão execrados por uma parcela da população por sua adesão incondicional aos interesses patronais, não diferem muito dos de antigamente. Talvez, se a gente for pensar mais no assunto, eles sejam simplesmente frutos das gerações anteriores, incorporando os mesmos defeitos e as mesmas virtudes dos seus antecessores.

As historinhas que conto dos meus tempos de jornalista - foram, se não me engano, 43 anos passados em diversas redações -, se não são exemplares, no sentido de indicar modelos de comportamento execráveis ou, ao contrário, louváveis, servem ao menos para humanizar esses profissionais que exercem, neste nosso mundo tão complexo, uma atividade importante, se não, essencial para o progresso da civilização.

Sem mais, vamos a mais três delas.


Aposta


O celebrado editor de internacional se encaminha em direção à porta de saída da redação, mas resolve trocar umas palavas com seu colega de outra editoria.

Os dois conversam amenidades, até que o hoje astro jornalístico global observa a bonita repórter indo embora.

E, sem mais, desafia o colega:

- Vamos apostar quem come a ........ primeiro?



Cochilo dominical


Plantão de domingo. 

Edição quase fechada.

O secretário gráfico, ex-revisor, profissional atento e competente, liga da oficina:

- Olha, tem um problema numa nota da coluna da ..... 

Checo.

É verdade, não dá para sair daquele jeito.

O pessoal então me fala que a colunista costuma passar os fins de semana em sua fazenda. 

Acho o telefone. Ligo. Atende uma mulher. Me identifico e pergunto pela colunista:

- Olha, ela está dormindo. Não tem como acordá-la.

Peço então que, assim que ela despertar, ligue para o jornal. Assunto sério. 

Já é noite quando um colega me avisa que a colunista está no telefone, perguntando o que houve com o seu material.

Peço para dizer a ela que não precisa mais se preocupar. 

No dia seguinte, a coluna saiu sem a nota problemática.


Esquemas


Deveria ser a terceira ligação da tesouraria.

- Olha, estamos tentando falar com o .... para acertar umas notas fiscais de despesas das últimas viagens dele. Está tudo atrasado, desse jeito não vai dar para aprovar as contas.

Assim que o nosso personagem chega, vou falar com ele:

- Ligaram da tesouraria, estão putos com você por causa de umas notas que você ficou de entregar e não entregou.

Ele nem se abalou:

- Sem problema. Lido com esses caras há uns 15 anos. Passo lá amanhã e entrego o que eles querem. Tenho meus esquemas. Esses caras pensam que eu pago as minhas contas só com o meu salário?

Em minha defesa, que dei uma risada de sua sinceridade: ele, profissional antigo na casa, respeitado por todos os de sua área, não era nem contratado formalmente, tinha até de arranjar patrocínio para bancar suas viagens a trabalho. 

Cada um se vira como pode.

(Carlos Motta)

Comentários

  1. Tem chefeta de editorialistas que manda vir buchada de bode de certo estado nordestino tudo pago pelo Ex Estadão vindo de avião.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…