Pular para o conteúdo principal

A nova chefe, o sindicato, e o aumento que não veio


Depois de um bom tempo navegando por águas calmas, o pessoal que fazia o caderno de economia do Estadão, lá nos distantes anos 90 do século passado, foi avisado que haveria troca na tripulação: sangue novo iria rejuvenescer o produto.

E ele veio, trazendo consigo a inevitável carga de ansiedade que as mudanças geram, assim como os conflitos, os choques de personalidade, as fofocas, os ciúmes, todas as tensões existentes num grupo heterogêneo de pessoas - uma redação de jornal é um micromundo.

Os dias se passaram, as coisas foram se ajustando, o trabalho, com sua nova dinâmica foi entrando nos eixos.

Na época, eu fazia parte da diretoria do sindicato dos jornalistas, junto com um amigo repórter da editoria.

Logo depois que assumimos o cargo, o diretor de redação, havia pouco na função, em substituição àquele que hoje se dedica à saudável tarefa de difamar, diariamente, em seu trabalho, a esquerda em geral e o PT, principalmente suas principais lideranças, em particular, me chamou para uma conversa.

Foi um papo meio esquizofrênico, sem sentido nenhum, mas eu entendi perfeitamente do que se tratava: ele temia que meu amigo e eu, diretores do sindicato, promovêssemos algum tipo de "agitação" entre os colegas. 

Não me lembro quanto tempo se passou quando, numa tarde ao chegar na redação e antes mesmo de abrir o computador, a nova coordenadora de economia [cargo acima do editor, que existia para organizar e integrar as editorias do Estadão e do Jornal da Tarde], veio conversar comigo.

- Fui falar com o ... [diretor de redação] para dar um aumento para você e o ... [meu amigo repórter]. Disse que vocês merecem, ganham menos que outros na mesma função, que estão ralando, fazendo um bom trabalho. Aí ele me perguntou: "Mas eles não são do sindicato?" Eu respondi que não fazia a menor ideia e que isso não tinha a menor importância, como não teria se vocês fossem marcianos, ou qualquer outra coisa, e o que importava era que vocês mereciam um aumento.

Agradeci, fiquei contente por ver que gostavam do meu trabalho e, principalmente, porque tinha uma chefe com uma das qualidades que mais admiro no ser humano, o senso de Justiça.

Mas o aumento não veio.  (Carlos Motta)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…