Pular para o conteúdo principal

A nota do Ronaldo e os erros no livro do Senna

O personagem dessas duas historinhas é o mesmo, um rapaz que teve uma carreira meteórica na "grande" imprensa brasileira. 

Na ocasião, ocupava um alto cargo de chefia no Estadão, transitava com extrema facilidade por várias áreas, escrevia sobre assuntos tão diversos como literatura, cinema e macroeconomia, sem esquecer, claro, do futebol.

Entendia de tudo, ou dava essa impressão.

Era um apaixonado fã do atacante Ronaldo.

Participou, com alguns textos, da cobertura da Copa do Mundo de 2002, sem sair da redação: na última hora desistiu de ir com a turma para a Coreia/Japão.

Certo dia, depois de uma vitória da seleção contra não me lembro quem, a edição do caderno de esportes já fechada, o pessoal se preparando para as mudanças do segundo clichê, me avisaram:

- Você leu o texto sobre as notas dos jogadores?

- Li, fui eu que desci [liberei para a gráfica] a matéria. Por quê?

- É que mudaram a nota do Ronaldo. O .... [repórter que cobriu o jogo] deu 7, mudaram para 8 depois que a matéria desceu.

Fui verificar.  

Era verdade. 

E o sistema editorial, implacável dedo-duro, apontava o nome de quem tinha feito a última alteração no texto...

Algum tempo depois, Copa do Mundo terminada, Brasil campeão, tudo estava mais calmo no caderno de esportes.

O veterano setorista de automobilismo vem conversar comigo:

- O ... me deu o livro que escreveu sobre o Senna. Li e achei uns 10 erros factuais nele. Estou em dúvida se devo avisá-lo sobre isso, sabe, para que possa corrigir tudo numa segunda edição. O que você acha?

- Acho que ele não vai ficar chateado se você fizer isso - respondi.

- Então eu vou falar com ele.

No dia seguinte, curioso, perguntei sobre como o nosso biógrafo tinha reagido.

- Levei o livro, expliquei que tinha achado vários erros e passei as informações corretas. Ele me agradeceu e disse que não tinha importância. Vai mesmo ficar tudo errado.

Daquele momento em diante a minha convicção de que um bom jornalista anda junto com um bom caráter - e o contrário também se aplica - ficou ainda mais fortalecida. 

(Carlos Motta)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…