Pular para o conteúdo principal

Vai trabalhar, vagabundo!


E o pacote de maldades vai sendo despejado, impiedosamente, na cabeça dos brasileiros, esses mesmos que gritaram com força o "fora, Dilma".

Olha só o release de uma tal de Associação de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional.

O Estado vai economizar, as empresas vão demitir e a recessão vai se aprofundar - receita rigorosamente neoliberal, ou seja, para ferrar com o povo...


Força-tarefa dos médicos peritos do governo pode levar milhares de trabalhadores de volta ao mercado


Ainda em agosto poderá ser aprovada a Medida Provisória 739/16 que trará grande impacto para as empresas: elas poderão receber de volta trabalhadores que estavam afastados por doença ou invalidez – só que dentro de um cenário de recessão econômica. A MP 739/16 cria um bônus salarial para peritos médicos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) por cada perícia a mais feita, tendo como referência a capacidade operacional do profissional. O objetivo é rever a condição de saúde do trabalhador que está a mais de dois anos sem passar por perícia médica.

Segundo dados do governo federal, mais de 93% dos aposentados por invalidez têm o benefício há mais de dois anos. As aposentadorias por invalidez chegaram a R$ 44,5 bilhões em 2015, beneficiando 3,4 milhões de pessoas. Outra grande ação nesse sentido é a avaliação médica pericial de auxílios doença e aposentadorias concedidas através de ações judiciais contra o INSS e que, por equívocos nas sentenças, ficam sem o estabelecimento de data de revisão.

"A revisão do auxílio-doença e aposentadoria por invalidez concedidos há mais de dois anos, certamente encontrará inúmeros trabalhadores que recuperaram a saúde", explica Paulo Zaia, diretor da AGSSO - Associação de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. "A Medida trará um inegável ganho para o Estado, porém, poderá gerar um problema para as empresas, que não têm como absorver mais mão de obra. Embora reduza despesas do Estado, esta medida poderá trazer impactos sociais que precisam ser considerados", afirma.

A proposta também altera as condições para o acesso ao auxílio-doença, à aposentadoria por invalidez e ao salário-maternidade para o trabalhador que tenha deixado de contribuir. Dessa forma, ficam os mínimos de 12 contribuições mensais para receber o auxílio-doença e aposentadoria por invalidez e 10 contribuições para licença-maternidade, para ambas as condições.

Atualmente, a lei não estabelece qualquer carência para esses benefícios. "Para as empresas, isso criará um problema econômico e também de ordem moral, pois um trabalhador que venha a adoecer durante o período de carência ficará em uma espécie de limbo regulamentar – sem poder trabalhar e sem receber nenhuma renda nesse período. Seria interessante se o governo estudasse formas de combater a fraude que não penalizassem os que efetivamente precisam do auxílio do Estado em momentos de fragilidade como no caso das doenças", finaliza Zaia.

Comentários

  1. Todos esses deputados e senadores golpistas, jamais terão o meu voto. Espero que todo Brasileiro consciente faça o mesmo. Vamos divulgar o listão dos trairas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…